1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Espelhos d'água do Museu do Amanhã, no Rio, têm água parada

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 11h 33

Visitantes se assustaram com o possível criadouro do mosquito 'Aedes aegypti'; museu disse que água salina não oferece riscos

Sem risco. Prefeitura e museu dizem que água é salgada

Sem risco. Prefeitura e museu dizem que água é salgada

RIO  - Os espelhos d’água ao redor do Museu do Amanhã, um dos ícones da revitalização da zona portuária do Rio, ganharam um tom permanente amarelado e sujo, bem diferente da cor azul do dia da inauguração, em 19 de dezembro.

Nesta quinta-feira, 11, era possível ver tufos de sujeira preta acumulados nos fundos dos espelhos d’água e lixo na superfície. Uma sacola plástica preta boiava na lateral direita do museu, observada por seguranças e até pelo funcionário responsável pela limpeza. O cenário chamou a atenção dos turistas que visitavam o museu, que se assustavam também com a possibilidade de os espelhos d’água se transformarem em criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e chikungunya. 

Museu do Amanhã novo ponto turístico do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro

Vista do Museu do Amanhã, novo ponto turístico da cidade do Rio de Janeiro. Foto: Fábio Motta / Estadão

A administradora de empresas Mônica Santos, de 34 anos, que visitava o local com o marido, lamentou o aspecto do museu. “Em um momento em que todos alertam para cuidarmos de piscinas e evitar focos de dengue, isso é um mau exemplo”, disse a carioca, que conhecia o lugar pela primeira vez nesta quinta. 

A Secretaria Municipal de Saúde respondeu, por meio de nota, que os espelhos d’água do museu são abastecidos com água salgada do mar e, por isso, “não proliferam nem ajudam a eclodir ovos do mosquito”. Às 13h, um funcionário entrou em um dos espelhos e começou a aspirar a sujeira do fundo. 

Cloro. A assessoria do museu também respondeu que “os espelhos d’água são de água salina e, portanto, não oferecem risco de proliferação do Aedes”. “A limpeza dos mesmos é feita com frequência, por sucção a vácuo e com uso de cloro, por empresa especializada.” 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX