Hemorio (@hemorio)/Twitter
Hemorio (@hemorio)/Twitter

Estado do Rio registra 15 casos de febre amarela, com 7 mortes

Dois óbitos mais recentes ocorreram em Teresópolis e Nova Friburgo; Hemorio 'troca' doação de sangue por vacina

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 19h09
Atualizado 22 Janeiro 2018 | 22h17

RIO - O Estado do Rio de Janeiro já registra sete mortos por febre amarela. As duas mortes mais recentes ocorreram em Teresópolis e Nova Friburgo, na Região Serrana, segundo boletim divulgado nesta segunda-feira, 22, pela Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo, já ocorreram 15 casos no Estado do Rio.

+++ Europa recomenda vacinação aos turistas que vierem para o carnaval no Brasil

O maior número de ocorrências foi em Valença, município do sul fluminense: nove pessoas infectadas, três das quais morreram. Em Teresópolis, ocorreram três casos, com duas mortes. Nova Friburgo teve um caso, e a vítima morreu. Os outros dois casos ocorreram em Petrópolis, também na Região Serrana, e em Miguel Pereira, na região centro-sul.

+++ Estudo aponta falha na vacinação da febre amarela das áreas rurais

Um macaco que morreu por causa da febre amarela foi encontrado em Niterói, na região metropolitana.

+++ OPINIÃO: Febre amarela é emergência

Sangue por vacina

O Instituto Estadual de Hematologia do Rio de Janeiro (Hemorio), órgão público que capta e distribui sangue a pacientes em tratamento, começou nesta segunda a oferecer uma dose da vacina contra a febre amarela a quem for doar sangue na unidade.

A campanha de vacinação contra a doença prossegue até o próximo sábado, 27. O centro vai disponibilizar, diariamente, 400 doses da vacina contra a doença. Mesmo quem for considerado inapto para doar, segundo a triagem clínica, poderá receber a dose da vacina.

Quem se vacina precisa esperar quatro semanas antes de doar sangue. Por isso, o Hemorio estima que a vacinação em massa no Estado do Rio vá diminuir temporariamente o estoque de sangue da unidade. O carnaval também deve afetar a coleta de sangue: historicamente, nesse período, as doações caem 40%.

A adesão do órgão à campanha de vacinação contra a febre amarela faz parte do esforço para atender à população, segundo o secretário de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Júnior.

"Estamos pedindo que a população busque a vacina. Com isso, ampliamos o número de doações e também vacinamos mais pessoas", disse.

O secretário ressaltou que no Hemorio só serão vacinados os candidatos à doação de sangue - portanto, pessoas que não pretendem doar sangue não devem buscar vacina na unidade.

O Hemorio é responsável pelo abastecimento da emergência dos hospitais, maternidades e outras unidades de saúde da capital, e também pelo envio de sangue para outros municípios, em momentos emergenciais.

Para o diretor-geral do Hemorio, Luiz Amorim, "a criação deste polo é uma solução eficiente para evitar o desabastecimento de sangue neste período que antecede o carnaval, e também durante o evento".

Doadores

Segundo o Hemorio, as pessoas que tomaram a vacina contra a febre amarela há mais de quatro semanas podem doar sangue normalmente. Quem teve a doença também pode doar, desde que a cura tenha ocorrido há mais de um ano.

Para doar sangue é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 kg, estar saudável e apresentar um documento de identidade oficial com foto. Jovens com 16 e 17 anos só podem doar sangue com autorização dos pais ou responsáveis legais. O modelo de autorização é encontrado no site do Hemorio.

Não é necessário estar em jejum para fazer a doação, mas é preciso evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação e também bebidas alcoólicas 12 horas antes.

A unidade funciona todos os dias, inclusive sábados, domingos e feriados, das 7 horas às 18 horas, na Rua Frei Caneca, n° 8, no centro do Rio.

 
 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.