Estado registra queda de 77% no número de casos de dengue

Levantamento aponta redução de 675.129 casos de janeiro a agosto de 2015 para 154.180 no mesmo período deste ano; número de agentes para ações de nebulização vai dobrar

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2016 | 12h04

SÃO PAULO - O Estado de São Paulo registrou queda de 77% no número de casos de dengue no período de janeiro a agosto desde ano em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo balanço apresentado na manhã desta segunda-feira, 19, pelo secretário de Estado da Saúde, David Uip, 154.180 casos foram confirmados até 31 de agosto ante 675.129 nos primeiros oito meses de 2015.

"Tivemos uma diminuição de casos de 77% e o número de mortes caiu 84%. O número de infestação por cada 100 residências, que chegou a cinco no passado, está em 0,99 neste ano, mostrando que as ações do governo e dos municípios foram exitosas", diz o secretário. Foram contabilizadas 77 mortes por dengue entre janeiro e agosto deste ano e 482 no mesmo período do ano passado.

De acordo com Uip, até o momento, 25 milhões de imóveis foram visitados - há 16 milhões registrados em todo o Estado -, de modo que há residências que foram visitadas mais de uma vez.

O secretário informou que, para intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e vírus zika, o efetivo de agentes da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen) será dobrado, atingindo 1.000 profissionais. Eles vão atuar nos municípios em ações de nebulização. "Com a mudança do governo municipal, tem um período que é preocupante e queremos cobrir esse período de mudança até que o novo prefeito se assente."

Ainda neste mês, será realizada a terceira etapa da campanha "Todos juntos contra o Aedes aegypti" com atuação de 20 mil agentes em todo o Estado. Em 551 cidades, haverá mutirões aos sábados para visitar imóveis e remover criadouros que devem contar com mais de 30 mil profissionais. O Dia D de Combate à Dengue será na última semana de novembro.

Vacina. Ainda nesta manhã, o governador Geraldo Alckmin informou que mais quatro centros de pesquisa vão iniciar os testes com a vacina contra a dengue do Instituto Butantã, totalizando os 14 que vão participar do estudo. Dos 17 mil voluntários, mais de 1.200 receberam as doses e a expectativa é de que a maioria seja imunizada até o verão.

"A vacina está em sua última etapa. Estamos procurando acelerar ao máximo (para vacinar) antes do período de verão para poder ter um resultado ainda melhor e solicitar a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)."

O instituto está construindo uma fábrica para a vacina da dengue, cujo prédio deve ser finalizado ainda neste ano. Até a metade de 2017, as instalações devem estar equipadas. A unidade terá capacidade para produzir até 30 milhões de doses do imunizante não só contra a dengue, mas contra a raiva e, futuramente, contra o vírus zika.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.