Estudo com participação de brasileiros vincula genes a câncer cerebral

Cientistas esperam que descoberta leve a melhores tratamentos para a doença no futuro

Efe

05 Agosto 2011 | 12h47

WASHINGTON - Cientistas constataram que a mutação dos genes CIC e FUBP1 está relacionada ao desenvolvimento do oligodendroglioma, o segundo tipo mais comum de câncer cerebral, uma descoberta que pode contribuir para a melhora de seu tratamento. A pesquisa contou com a participação do Departamento de Neurologia da Universidade de São Paulo.

 

É o que indica um estudo publicado nesta quinta-feira pela revista Science, realizado por pesquisadores das universidades Duke, na Carolina do Norte, e Johns Hopkins, em Washington DC.

 

Até agora, o câncer cerebral nunca havia sido relacionado a esses genes, considerados reguladores dos processos de comunicação celular.

 

As mutações do gene CIC só tinham se vinculado até o momento - e em raras ocasiões - aos cânceres de mama e de próstata e ao sarcoma (um tipo peculiar de tumor ósseo maligno).

 

Os pesquisadores desejam que esta descoberta possa contribuir para um tratamento mais efetivo de um tipo de câncer cerebral, que afeta sobretudo a população jovem, de 30 a 45 anos.

 

Além disso, esses genes poderão ser usados como biomarcadores para identificar este tipo de câncer e distingui-lo dos demais cânceres que afetam o cérebro.

 

Os oligodendrogliomas representam cerca de 20% dos cânceres cerebrais e registram uma média de sobrevivência de dez anos, muito superior à da maioria dos cânceres deste tipo.

 

O tratamento inicial para esta doença é a cirurgia, seguida da quimioterapia e radiação.

 

Segundo os cientistas, graças ao Projeto Genoma Humano e aos avanços na sequência do genoma do câncer, um só estudo como este poderia resolver décadas de perguntas sobre a doença.

Mais conteúdo sobre:
câncer DNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.