Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Estudo mostra que é possível parar de fumar sem ganhar peso

De acordo com a pesquisa, o estímulo de determinado receptor cerebral pode ajudar a diminuir o apetite

Efe

09 Junho 2011 | 15h00

Um grupo de cientistas norte-americanos descobriu o mecanismo pelo qual a nicotina ajuda a controlar o apetite, uma descoberta que pode levar ao desenvolvimento de novos medicamentos para parar de fumar sem engordar ou simplesmente perder peso.

No estudo, feito com ratos e publicado na revista Science, os pesquisadores descobriram que a nicotina ativa alguns neurônios do hipotálamo que avisam o corpo que ele já recebeu alimento suficiente.

A nicotina atua sobre os receptores na superfície dos neurônios que são diferentes daqueles que desencadeiam o desejo pelo tabaco, o que significa que "Seria possível acabar com o apetite sem ativar as regiões de recompensa do cérebro", afirma em comunicado a principal autora do estudo, Dra. Marina Picciotto, da Universidade de Yale.

Picciotto lembra que muita gente não desiste do cigarro por medo de ganhar peso. "Infelizmente, é certo que fumar evita engordar", disse. "Queremos ajudar as pessoas a manter o peso ao abandonar o hábito e também os não fumantes que lutam contra a obesidade".

A descoberta, conduzida pela Faculdade de Medicina de Yale e com participação da Faculdade de Medicina Baylor, se deu quando o pesquisador Yann Mineur estudava um potencial antidepressivo que atua sobre estes receptores e percebeu que os ratos medicados com ele comiam menos do que aqueles que não tinham recebido a droga.

Ao averiguar o fato, os cientistas observaram que um subtipo específico de receptor da nicotina, o a3beta4, determina quanto um indivíduo come, e que quando a nicotina se junta a este receptor os neurônios pro-opiomelanocortin (POMC) são ativados, o que corta o apetite e aumenta o gasto energético.

Mineur disse à Agência Efe que há muitos outros fatores que influenciam a necessidade pela comida, assim como outros efeitos potenciais dos cigarros sobre a alimentação, além do mecanismo descrito.

"Mas foi mostrado que se for considerado a mesma quantidade de calorias, os não fumantes engordam mais que os fumantes", disse.

De acordo com os cientistas, o estudo abre a possibilidade de desenvolver novos tratamentos a base de nicotina para ajudar as pessoas a deixarem de fumar e controlar a obesidade e as desordens metabólicas.

Mais conteúdo sobre:
cigarro nicotina cérebro tabagismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.