Estudo na Austrália usa testosterona para combater Alzheimer

Pesquisador explicou que hormônio ajuda a reduzir produção de proteína que está relacionada à doença

Efe,

05 Maio 2011 | 11h19

SYDNEY - Cientistas australianos implantaram hormônios de testosterona em uma paciente com mal de Alzheimer como parte de um teste clínico que, ainda em fase inicial, parece apresentar bons resultados, informa a imprensa local.

 

Veja também:

link Nova tecnologia espanhola mede risco de sofrer de alzheimer

link Substância derivada do tabaco previne perda da memória no Alzheimer

link Novas diretrizes de Alzheimer propõem atenção ao ‘início silencioso’ da doença

 

O pesquisador Ralph Martins, da Universidade Edith Cowan, no estado da Austrália Ocidental, disse que a paciente, de 33 anos, apresentou sinais de estabilização da memória e chegou a registrar melhoras desde o início dos testes, há 12 meses. Martins declarou à rádio ABC que o avanço da doença na paciente "basicamente foi atrasado".

 

Ele também comentou que a testosterona poderia ser mais efetiva e rápida que outros tratamentos utilizados para deter o mal de Alzheimer, que provoca perda da memória.

 

O pesquisador australiano explicou que o hormônio ajuda a reduzir a produção da proteína beta-amiloide, que contém tecido cerebral e está relacionada à doença. Os cientistas disseram que vão prosseguir com os testes clínicos em pacientes com Alzheimer em outras partes do país.

Mais conteúdo sobre:
Alzheimer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.