EUA autorizam uso de células-tronco para 1ª aplicação em humanos

Empresa fará testes com pacientes durante dois anos para tratar lesões na medula espinhal

estadão.com.br,

30 Julho 2010 | 20h41

SÃO PAULO- Doze anos após o "nascimento" da primeira linhagem de células-tronco embrionárias humanas, na Universidade de Wisconsin, a Agência de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) anunciou nesta sexta-feira, 30, que irá liberar o uso de células-tronco embrionárias para uma primeira aplicação em humanos. As informações são do Wall Street Journal.  

 

Veja também:

video Especialistas debatem o uso de células-tronco

 

O estudo será conduzido pela empresa de biotecnologia Geron, que financiou a pesquisa pioneira de Wisconsin, em 1998, e agora, após uma década de experimentos in vitro e com animais, poderá finalmente testar o potencial terapêutico de suas células no organismo humano. Trata-se do primeiro e único ensaio clínico com células-tronco embrionárias humanas aprovado no mundo até agora.

 

A Geron começou o estudo com animais no início de 2009, mas ele foi interrompido sete meses depois por causa de preocupações com a segurança dos testes, após camundongos apresentarem pequenos cistos na medula espinhal.

 

A empresa, com sede na Califórnia, vai recrutar até dez pacientes com lesões medulares para receber injeções de células nervosas progenitoras, produzidas pela diferenciação de células-tronco embrionárias humanas in vitro. A intenção é que essas células progenitoras, uma vez dentro da medula, se diferenciem em um tipo específico de célula do sistema nervoso central, chamada oligodendrócito, que reveste os nervos e permite a transmissão dos sinais elétricos enviados do cérebro para o restante do organismo.

 

Em experimentos com ratos lesionados, a técnica se mostrou eficaz, devolvendo parte dos movimentos e do controle motor e sensorial aos animais. O início dos testes em humanos já havia sido autorizado em janeiro de 2009, mas o aparecimento de cistos na medula de alguns dos animais tratados fez com que a FDA colocasse a autorização "em espera", até que a empresa pudesse investigar a questão.

 

A Geron anunciou hoje que aperfeiçoou os protocolos de segurança relacionados à diferenciação das células, fez novos experimentos com animais e conseguiu, novamente, luz verde da FDA para seguir em frente com o ensaios clínicos em seres humanos.

 

Células-tronco embrionárias são consideradas como pluripotentes, ou seja, podem se transformar em qualquer tipo de célula no corpo. Seu uso, no entanto, é polêmico, pois envolve a destruição de embriões humanos para o obtenção das células.

 

Atualizado com informações da AE às 22h41

 

 

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.