1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

EUA alertam grávidas a não viajar ao Brasil por causa do zika

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 23h 28

É a 1ª vez que Centro de Prevenção e Controle de Moléstias pede que grávidas evitem uma região por causa de surto

NOVA YORK - Autoridades da área de Saúde dos Estados Unidos decidiram orientar mulheres grávidas a não viajarem para países que registram surto de zika, por causa do medo de sua relação com a microcefalia. Até agora o Brasil e outras 13 nações latino-americanos e do Caribe têm casos relatados à Organização Mundial de Saúde - ontem, houve confirmação no Haiti. Quem não puder adiar a viagem deve tomar precauções contra o Aedes, como o uso de roupas de manga longa.

É a primeira vez que o Centro de Prevenção e Controle de Moléstias (CDC) dos Estados Unidos sugere a grávidas para que evitem uma região específica durante um surto. A definição final foi de alerta de nível 2 - há três níveis, sendo o primeiro só de orientação; e o terceiro para pedido de veto a todas as viagens. O CDC indica que as mulheres que pensam em engravidar analisem a importância da viagem agora e consultem os médicos.

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

Especialistas em moléstias infecciosas afirmam que o aviso se justifica plenamente, embora possa ter um efeito devastador para o setor de viagens e turismo. A discussão interna fez o CDC adiar por várias vezes ontem o anúncio da medida, que só foi divulgada às 22 horas (horário de Brasília). A orientação vale ainda para Colômbia, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Suriname, Venezuela e Porto Rico. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX