1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

3.935 famílias ficam sem saber se o filho bebê tem microcefalia

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 09h 08

Parentes enfrentam angústia de não saber se recém-nascidos, suspeitos de nascer com a má-formação, têm de fato a doença

BRASÍLIA - Pelo menos 3.935 famílias brasileiras enfrentam angústia de não saber se seu filho tem ou não microcefalia. São pais e mães comunicados sobre a suspeita de o bebê apresentar a má-formação, mas que não receberam, até o momento, um diagnóstico fechado. Aguardam a realização de exames complementares, como ultrassom e, em muitos casos, tomografias.

Até agora, a maioria dos casos permanece sem esclarecimento. Do total de notificações no Brasil, 74% ainda são classificadas como “em investigação.” O maior porcentual ocorre no Norte, onde 87% dos registros seguem sem esclarecimento. Mas no Sudeste, onde a oferta de serviços de saúde é significativamente maior, a situação não é muito diferente. A taxa de casos em investigação nos Estados da região é de 84%.

O recém-nascido pode morrer ou apresentar sequelas graves, como dificuldade de visão e audição, além de retardo mental. 

O recém-nascido pode morrer ou apresentar sequelas graves, como dificuldade de visão e audição, além de retardo mental. 

O secretário de Atenção à Saúde, Alberto Beltrame, admite demora na avaliação de casos suspeitos de microcefalia, afirma que o problema pode levar ao sofrimento das famílias e diz ser necessária a adoção de medidas para reverter esse quadro. 

“Esperávamos que esse número tivesse se reduzido, mas não foi o que vimos.” Entre as opções estão mutirões e colaboração com Ministério de Desenvolvimento Social (MDS), que ficaria encarregado, por exemplo, de transportar mães e bebês em veículos próprios para levá-los a centro de diagnóstico. “Não é urgência médica, mas uma questão humanitária.”

Há três semanas, a secretaria passou a enviar missões para Estados considerados mais críticos. Foram visitados Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia e Pernambuco. Nos próximos dias, será a vez de Tocantins, Mato Grosso, Alagoas, Maranhão e Piauí. Esta semana, será discutida com Estados estratégias para reduzir a fila. “Há possibilidade de zerar a espera. Não podemos dar prazo, mas vamos agir para isso ocorrer.”

A demora na divulgação no resultado final é provocada por um misto de fatores: burocracia, falta de infraestrutura ou agilidade para providenciar transporte das crianças a centros onde seria possível fazer o exame confirmatório e, sobretudo, desconhecimento. 

7 perguntas e respostas sobre a microcefalia
REUTERS / Ueslei Marcelino
O que é microcefalia?

É uma má-formação congênita em que a criança nasce com o perímetro cefálico menor do que o convencional, que é de 32 centímetros. Isso significa que o cérebro não se desenvolveu da maneira esperada.  

Espera. Boa parte dos pais aguarda há três meses uma definição. Desde que a emergência sanitária nacional foi declarada, em novembro, até 13 de fevereiro, só foram esclarecidos (confirmados ou descartados), 1.345 casos. Essa soma é menor do que o total de casos suspeitos que aguardavam avaliação no fim de dezembro – 1.832 casos. 

“Essa lentidão nos surpreendeu”, diz Beltrame. Além do sofrimento para as famílias, a demora no fechamento do diagnóstico acaba sobrecarregando serviços de assistência. A recomendação é: enquanto o caso não é descartado, o paciente deve receber o tratamento como se de fato tivesse a síndrome.

Diante da microcefalia, o governo lançou em 2015 diretrizes para atender os bebês. O bebê deve ter o perímetro cefálico medido duas vezes nas maternidades: logo no nascimento e 48 horas depois. Se na segunda medição o tamanho é igual ou inferior a 32 centímetros, o bebê deve fazer ultrassom. O problema, no entanto, é que de acordo com a dimensão do perímetro cefálico, o exame é feito com dificuldade e o resultado é inconclusivo. Nesses casos, a indicação é que seja feita tomografia.

Beltrame diz que a demora não é provocada por falta de aparelhos. “Muitas vezes os pacientes vivem em locais distantes, o que dificulta levá-los ao centro de atendimento.” Por isso, a propostas de usar vans do MDS.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX