Exercício é mais eficaz que dieta no combate ao Alzheimer, diz estudo

Pesquisadores japoneses dizem que atividades físicas deveriam ser prioridade o tratamento

estadão.com.br

27 Junho 2012 | 11h37

Pesquisadores da Escola de Medicina Universidade de Kyoto, no Japão, afimam que atividades físicas são um método eficaz de combater os efeitos do mal de Alzheimer. A informação está em um estudo publicado no Journal of Biological Chemistry.

 

O estudo, liderado pelo doutor Ayae Kinoshita, comparou os efeitos de três rotinas de combate ao Alzheimer - dieta controlada, exercícios voluntários e os dois juntos - em ratos. A equipe verificou que os exercícios apresentaram maior benefício que a dieta no que diz respeito à redução de beta-amiloides, formações caracerísticas da doença no cérebro, e à restauração das memórias.

 

Além disso, ospesquisadores descobriram que os efeitos da rotina de dieta e exercícios e conjunto não teve resultados significativamente superiores à de somente atividades físicas. Os efeitos positivos são atribuídos à degradação dos depósitos de beta-amiloide no cérebro

 

"Com base nas conclusões, os exercícios deveriam ser considerados algo prioritário nos tratamentos de prevenção de Alzheimer", recomenda Kinoshita. 

Mais conteúdo sobre:
alzheimer memória saúde vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.