WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Exército começa a atuar no combate à dengue na capital paulista

50 soldados iniciaram no Limão, zona norte, visitas a residências em busca de focos de mosquito

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2015 | 13h52

Atualizada às 21h18

SÃO PAULO - No primeiro dia de trabalho conjunto, agentes de zoonoses da Prefeitura e soldados do Exército visitaram 1.064 imóveis na zona norte da cidade em busca de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. A Secretaria Municipal da Saúde decidiu pedir ajuda de 50 homens das Forças Armadas diante do alto número de recusas de moradores em abrir suas casas.

“De cada dez residências que a Prefeitura visita, duas têm moradores que não permitem a entrada. Com a presença dos militares, achamos que os cidadãos vão se sentir mais seguros em abrir a porta”, disse o secretário adjunto da Saúde, Paulo Puccini. A recepção dos agentes públicos continua sendo facultativa, mesmo com a presença do Exército. Nesta quinta, apenas 16 moradores não autorizaram a entrada das equipes.

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

No primeiro dia da parceria, foram feitas visitas no Limão, um dos distritos mais afetados pela dengue neste ano. “Já fui assaltada e não gosto de deixar gente estranha entrar em casa, tenho medo de ser ladrão disfarçado. Com o Exército, dá mais segurança”, disse a aposentada Shirlei Ferreira, de 74 anos, que teve a casa visitada pela manhã.

A agente de zoonoses Lucia Maria de Oliveira, de 38 anos, que atua nas ruas desde 2007, afirmou que a presença das Forças Armadas facilitou a abordagem nas casas. “Acontece sempre de tocarmos a campainha e a pessoa fingir que não está em casa. Agora, com o soldado, estão até pedindo para a gente entrar.”

A parceria vai durar 30 dias, segundo o coronel Ricardo Carmona. “No interior de São Paulo, já são 580 soldados atuando nesse trabalho e o resultado é muito positivo.” O Exército forneceu ainda dez médicos militares para ajudar no tratamento das pessoas infectadas. Eles vão atuar em postos de saúde.

Mais conteúdo sobre:
dengue exército

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.