Falta de desejo sexual afeta 70% das atendidas na ginecologia do HC

Correria, estresse no trabalho e preocupação com filhos e casa são os grandes vilões da sexualidade

estadão.com.br

12 Julho 2010 | 14h25

SÃO PAULO - Maior vítima da falta de desejo sexual, a mulher tem recorrido a medicamentos para tentar recuperar a libido. Entretanto, a ginecologista Elsa Gay, do Hospital das Clínicas da FMUSP, ligado à Secretaria de Estado da Saúde, alerta que em 90% dos casos o problema é psicológico e não orgânico.

"Drogas como antidepressivos podem até inibir o desejo sexual", afirma a especialista, acrescentando que não existe nenhuma medicação para aumentar a libido feminina que tenha sua eficácia comprovada cientificamente.

No setor de Ginecologia do HC, 70% das mulheres atendidas no ambulatório perderam a libido. "Quando o sexo deixa de proporcionar prazer, é sinal de que algo está errado", observa a ginecologista, lembrando que muitas vezes a mulher moderna deixa as preocupações diárias interferirem no relacionamento afetivo.

"A correria, o estresse do trabalho e a preocupação com os filhos e com a casa são grandes vilões da sexualidade. Quando há crises no relacionamento, a mulher se fecha para a vida sexual", aponta.

Ter um bom conhecimento do corpo também é essencial para uma vida sexual satisfatória. De acordo com Elsa, muitas mulheres não conhecem o próprio corpo e os pontos que mais lhe dão prazer.

"Ela precisa dialogar com o parceiro e se descobrir", recomenda. Segundo a ginecologista, a autoestima é outro fator diretamente ligado à satisfação, pois em muitos casos a mulher que se queixa de falta de libido é aquela que está insatisfeita com o corpo.

Para finalizar, Elsa destaca que, aos primeiros sinais de que algo vai mal, a mulher não deve demorar a procurar ajuda médica. "A maior incidência de mulheres que sofrem com a falta de desejo sexual está entre as que já passaram pela menopausa. Mas esse é um problema que atinge qualquer idade, seja aos 20 anos ou mesmo aos 70", explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.