1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Farmacêutica francesa espera testar vacina contra zika em um ano

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 11h 42

Produto, no entanto, só deve ficar pronto em três anos; laboratório pretende investir "vários milhões de euros" nesse projeto

PARIS - O laboratório francês Sanofi anunciou nesta terça-feira, 9, que espera começar "em um ano" os testes clínicos relacionados a vacina contra o vírus zika. A expectativa é que esse produto esteja pronto em três anos, segundo o diretor-geral da empresa, Olivier Brandicourt. 

A informação foi anunciada durante a apresentação dos resultados anuais da Sanofi. A farmacêutica espera reduzir os prazos habituais, aproveitando as tecnologias e a estrutura que já desenvolveram para a criação de vacina contra a dengue, a Dengvaxia. O vírus é da mesma família do zika.

A zika pode ser transmitida por urina e saliva? - Não é possível dizer ainda. Será preciso fazer mais pesquisas para saber quanto tempo o vírus sobrevive nesses fluidos e como se comporta no organismo. 

A zika pode ser transmitida por urina e saliva? - Não é possível dizer ainda. Será preciso fazer mais pesquisas para saber quanto tempo o vírus sobrevive nesses fluidos e como se comporta no organismo. 

"Pesquisamos se há uma imunidade cruzada entre os vírus, o que seria uma boa notícia", explicou Brandicourt. Ele ainda falou que conta com a colaboração da Europa e dos Estados Unidos nesse trabalho porque os testes clínicos podem ser "muito onerosos". No momento, a Sanofi disse investir "vários milhões de euros" no projeto de vacina contra zika.

Nessa segunda-feira, 8, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que há pelo menos 12 grupos trabalhando na elaboração de vacina contra o vírus. A entidade decretou emergência internacional pelos casos de microcefalia nas áreas com epidemia de zika. A relação entre as duas doenças ainda é pesquisada. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX