Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Saúde » Fechamento de instituto provoca superlotação de hospitais públicos em São José do Rio Preto

Saúde

Fechamento de instituto provoca superlotação de hospitais públicos em São José do Rio Preto

Santa Casa e Hospital de Base colocam macas nos corredores e na recepção para tentar atender à demanda que cresceu nesta semana

0

Chico Siqueira,
Especial para o Estado

02 Julho 2014 | 17h51

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - O atendimento de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde (SUS) está à beira do colapso em São José do Rio Preto (SP), município considerado referência nacional em atendimento de saúde. O alerta foi feito pelos dois únicos hospitais públicos - a Santa Casa e o Hospital de Base (HB) - que prestam esse tipo de atendimento no município. As unidades, que enfrentam superlotação e falta de leitos, tiveram um aumento de 40% na demanda de novos pacientes com o fechamento do hospital do Instituto Espírita Nosso Lar (Ielar), a sexta-feira, 27.

O Ielar prestava cerca de 10 mil atendimentos mensais em medicina primária e secundária e era responsável por cerca de 400 procedimentos diários em urgência e emergência, exames e cirurgias. Com seu fechamento, o atendimento de urgência e emergência teve de ser remanejado, sobrecarregando ainda mais o atendimento nos outros dois hospitais. 

Nesta segunda e terça-feira, 1 e 2, a Santa Casa e o Hospital de Base, que também atendem a população das cidades da região, transformaram seus corredores em verdadeiros quartos improvisados, com a colocação de dezenas de macas para atendimento aos novos doentes.

Recepção vira quarto. No HB, o corredor do andar térreo e a sala de recepção ao público - onde cadeiras servem agora de acomodação para acompanhantes dormirem - foram transformados em alas de emergência, ocupadas por 60 macas. Os atendimentos de enfermeiros e médicos são feitos no próprio corredor, ao lado de acompanhantes e outros profissionais que transitavam pelo local. Com a superlotação, doentes e acompanhantes dormem na sala de espera e no corredor e usam banheiros dos quartos ocupados por outros pacientes. 

Segundo a assessoria do HB, na manhã desta quarta-feira, 124 pacientes foram atendidos no setor de pronto-atendimento - geralmente o número varia de 70 a 90 -, houve aumento de 100% no número de pacientes que aguardam vagas na UTI e de 30% dos que esperam internação. De acordo com o hospital 33 pacientes ficaram em macas à espera de liberação de vagas em leitos.

A direção do HB fez um boletim de ocorrência na polícia para se preservar de possíveis omissões que podem ocorrer nos próximos dias, quando, afirma, o hospital poderá não ter mais condições de atender à demanda.

Segundo o diretor administrativo do hospital, Jorge Fares, a falta de leitos fez o HB colocar macas nos corredores, mas o problema agora é que não há mais onde colocar essas macas. Fares afirma que o hospital poderá bloquear a entrada de pacientes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

"A direção entende que não podemos deixar que os pacientes morram dentro do hospital. Estamos à beira do colapso no atendimento, não temos mais onde colocar os doentes", afirmou. Segundo Fares, "o hospital recebe de 40% a 45% dos pacientes da cidade e o restante vem de 101 municípios. Chegamos no limite", afirmou.

Novos profissionais. Na Santa Casa de Rio Preto, a situação é semelhante. De acordo com o provedor, Nadim Cury, hospital dobrou os atendimentos no setor de obstetrícia e teve de contratar médicos, enfermeiros e técnicos para dar conta do atendimento. Nesta terça-feira, 2, o hospital teve aumento de 40% na demanda, atendendo 130 novos pacientes.

"Colocamos macas nos corredores, que até o final de semana deverão levadas a uma sala de observação para abrigar a nova demanda", afirmou Cury. De acordo com Cury, uma nova ala está em construção e ficará pronta no fim ano. "Se houver novo aumento de procura na urgência e emergência, não teremos mais condições de atender. Estamos no limite", afirmou.

Fechamento. O Ielar alegou não ter condições financeiras para manter o hospital em funcionamento. A prefeitura cobra do hospital uma suposta dívida de R$ 8,8 milhões de repasses do SUS, cujas contas não teriam sido prestadas. O hospital afirma que não deve à prefeitura e que os recursos foram repassados a fundo perdido como complementação dos serviços que ele prestava ao município. Uma nova reunião está marcada para o final da tarde desta quarta, quando representantes da prefeitura e do hospital tentarão um acordo.