1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Fiocruz investiga 1º suspeita de morte de feto por zika

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 21h 33

A mãe, uma mulher de 34 anos, teve o vírus entre o 6.º e 7.º mês

RIO - Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) investigam o primeiro registro no Estado do Rio de suspeita de morte por zika de um bebê ainda no útero. A mãe, uma mulher de 34 anos, teve a doença entre o 6.º e 7.º mês de gravidez. Ela passou a ser acompanhada por médicos do Instituto Fernandes Figueira (IFF), da Fiocruz. Exames de ultrassom mostraram que o perímetro cefálico estava normal e que o feto se desenvolvia normalmente. No entanto, novo exame revelou que o bebê morrera havia dez dias.

Retirado nesta terça da mãe, o corpo passará por autopsia para determinar a causa da morte. Técnicos da Fiocruz estiveram no hospital e coletaram amostras de tecidos do bebê e de sangue, para estudar o caso. A paciente, que não teve o nome divulgado, fez o pré-natal em clínica particular. Ao apresentar os primeiros sintomas de zika, procurou o Instituto Nacional de Infectologia, da Fiocruz. De lá, foi encaminhada para o IFF, outra unidade da fundação, especializada em pré-natal de alto risco.

A mãe da paciente, Sandra Souza, contou que a filha passou por três ultrassonografias. Na última delas, em dezembro, na 33.ª semana de gravidez, o médico informou que o bebê se desenvolvia bem. “A gente esperava muito e, quando disseram que o bebê estava bem, a gente ficou bem”, disse Sandra em entrevista à TV Globo. A cesariana estava marcada para a semana que vem.

Segundo a família, a mulher passa bem e a previsão é que receba alta ainda nesta quarta. Em nota, o IFF informou que “ainda não é possível saber se a criança havia sido contaminada pelo vírus”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX