José Maria Tomazela
José Maria Tomazela

‘Foi dizendo que não era nada, mas fez vários pedidos’

A família Supino, de Sorocaba, no interior de São Paulo, coleciona casos de médicos que pedem exames sem “olhar o rosto” do paciente

José Maria Tomazela, Fabiana Cambricoli e Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2017 | 03h00

SOROCABA -  A família Supino, de Sorocaba, no interior de São Paulo, coleciona casos de médicos que pedem exames sem “olhar o rosto” do paciente. O casal, Alice Supino, de 49, e Antonio Carlos Supino, de 58 anos, têm plano de saúde e fazem questão de recorrer a médicos quando eles ou as filhas, Débora, de 20 anos, e Ana Paula, de 15, apresentam os primeiros sintomas. 

Em um dos casos mais recentes, Débora conta que ligou com dores para o consultório da ginecologista que a atende há cinco anos para marcar consulta. “Talvez por estar com pouco espaço na agenda, a secretária (da médica) deu o diagnóstico de infecção de urina por telefone e pediu que eu passasse no consultório pegar guias para ultrassom e exame de urina.” Segundo ela, a médica assinou os pedidos sem examiná-la. “O pior é que não havia infecção de urina e, sim, uma inflamação nas trompas (uterinas), e precisei tomar antibióticos fortes.”

Ana Paula passou por um problema semelhante depois de detectar um caroço na mão direita, perto do pulso. Ela reclamava de dores e a mãe decidiu levá-la a um ortopedista. “Ele olhou a mão dela de longe, do outro lado da mesa, e foi dizendo que não era nada, mas pediu vários exames, entre eles um ultrassom. Sem saber do que se tratava, receitou um anti-inflamatório para a Ana ir tomando até que os exames ficassem prontos. Saí do consultório furiosa, achei que ele pediu os exames por pedir, pois nem examinou a mão da minha filha. A sensação era de que a gente estava atrapalhando.” Alice decidiu procurar outro médico que examinou a mão da filha, fez um raio X na própria clínica e diagnosticou um cisto.

Antonio Carlos também lembra o drama que viveu há quatro anos quando foi internado com dores abdominais e passou por uma bateria de exames, mas os médicos nada encontraram. “Era um exame atrás do outro.”

Diagnóstico impreciso. Em 2015, ele também passou por atendimento com febre e dores. “De cara foi dado diagnóstico de dengue e pediu-se uma série de exames. Depois de análises de sangue e outras, a dengue foi descartada. Até hoje não sei o que era.” 

Problemas respiratórios lideram lista de internação

Foi uma pneumonia que manteve Giovanna, de 9 anos, internada por um mês na UTI de um hospital infantil particular de São Paulo. “Ela estava com espasmos na respiração e nitidamente muito mal”, diz a mãe, a professora Rosana Bignami, de 55 anos. 

Rosana conseguiu que a menina, que tem síndrome de down, fosse internada, depois de muita discussão com a médica. Segundo ela, a criança foi levada direto para a UTI, entubada e diagnosticada com pneumonia. “Minha filha só saiu do hospital um mês depois e continuou em tratamento, com fisioterapia pulmonar, por mais 4 meses. Até hoje a voz dela ainda é um pouquinho rouca”, conta.

Outros dados do mais recente Mapa Assistencial da Saúde Suplementar da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mostram que, embora os problemas cardiovasculares sejam a principal causa de mortalidade no País, são as doenças respiratórias as que levam o maior número de pacientes de planos de saúde à internação. 

Segundo o levantamento da agência, 472.824 beneficiários de convênios médicos foram hospitalizados somente no ano passado com esses problemas, ante 446.956 por doenças do aparelho circulatório.

Bariátrica e parto. Em cirurgias, a ANS destaca o aumento de 20% no índice de bariátricas realizadas pelos planos de saúde. O índice desses procedimentos por 1 mil beneficiários passou de 1,36 em 2014 para 1,63 em 2016, quando foram realizadas 50.443 operações. “Era um aumento esperado tendo em vista que a obesidade e o sobrepeso estão crescendo na população brasileira. Estamos incentivando as operadoras a adotar programas de prevenção de doenças e promoção de uma vida mais saudável para diminuir o problema”, diz Karla Coelho, diretora de normas e habilitação de produtos da ANS.

Já o “destaque positivo” do Mapa Assistencial foi a redução, ainda que pequena, da taxa de partos cesáreas na rede suplementar. Entre 2014 e 2016, o índice caiu de 85,6% para 84,1%. Segundo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 15% dos partos deveriam ocorrer por meio de cesariana. “Esse decréscimo se deve a uma série de ações que a ANS vem desenvolvendo há anos”, diz Karla, referindo-se à iniciativa que envolveu cerca de 40 hospitais brasileiros no desenvolvimento de novas diretrizes para evitar cesáreas desnecessárias e melhorar a assistência a gestantes e bebês. “Estamos entrando na segunda fase do projeto, no qual 150 hospitais vão participar”, detalha Karla.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo SOROCABA Ana Paula

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.