Reuters
Reuters

França retira do mercado silicone usado por 30 mil mulheres

Autoridades dizem que prótese pode arrebentar com maior frequência que os demais tipos

Efe

31 Março 2010 | 14h28

As autoridades francesas retiraram do mercado implantes mamários considerados defeituosos e convocaram cerca de 30 mil mulheres que os utilizam, no país e no exterior, para exames médicos.

 

Veja também:

linkConselho de Medicina do RS vai investigar morte em cirurgia plástica  

 

O jornal Le Parisien informou que a Promotoria de Marselha abriu no último dia 23 uma investigação preliminar contra um suposto culpado cujo nome não foi divulgado por "engano" e "colocação da vida alheia em perigo" em relação com os riscos dos implantes da Poly Implant Prothese (PIP), que podem arrebentar com maior frequência que os demais.

 

Segundo o periódico, o gel de silicone utilizado pela empresa, localizada na região de Toulon, no sul da França, não tinha sido autorizado pelas autoridades francesas, o que foi descoberto após uma inspeção.

 

A PIP, empresa criada em 1991, era o quarto fabricante mundial de implantes mamários e atravessava dificuldades financeiras há vários meses, uma situação que se agravou com este escândalo e que lhe levou à liquidação judicial, anunciada na terça-feira pelo Tribunal de Comércio de Toulon.

 

A Agência de Segurança Sanitária de Produtos de Saúde da França (AFSSAPS) lançou um alerta em toda Europa e nos Estados Unidos para advertir sobre os possíveis riscos dos implantes e aconselha consultas com o cirurgião para exames perante o risco de rompimento.

Mais conteúdo sobre:
protese silicone proibiçao França

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.