Funcionários de hospitais em Minas estão em greve há uma semana

Hospitais estão funcionando com a escala mínima de funcionários

Marcela Gonsalves, da Central de Notícias,

12 Maio 2011 | 16h28

São Paulo, 12 - Completou uma semana a greve dos funcionários da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). Nesta quinta-feira, 12, os grevistas realizaram uma manifestação em frente à Maternidade Odete Valadares, em Belo Horizonte.

Segundo a assessoria de imprensa da Fundação, os hospitais estão funcionando com a escala mínima de funcionários. Por causa da falta de pessoal, estão sendo priorizados os casos mais graves, porém o atendimento não foi paralisado em nenhuma unidade.

Segundo a Associação Sindical dos Trabalhadores em Hospitais de Minas Gerais (Asthemg), a principal reivindicação dos manifestantes é o cumprimento de uma lei aprovada em 2009 que prevê equiparação salarial. Segundo a Asthemg, há funcionários cujo contrato temporário de dois anos está vencendo e não há indícios de que a diferença salarial será paga. Eles exigem também a equiparação da carga horária, que aumentou de 30 para 40 horas semanais para os funcionários contratados pelo último concurso.

Há alguns dias, uma comissão instalada na Assembleia Legislativa mineira apura irregularidades nos hospitais. Já foram visitados o Hospital Júlia Kubitschek e o Pronto Socorro João XXIII. Nesta quinta-feira a visita aconteceu a Maternidade Odete Valadares. Segundo a assessoria de imprensa da Asthemg, foram encontrados materiais estragados e problemas nos aparelhos de esterilização. Os deputados devem preparar um dossiê sobre as constatações.

Mais conteúdo sobre:
greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.