1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo do Rio cria força-tarefa para combater o 'Aedes'

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 22h 37

Equipe de bombeiros fará visitas às casas junto com agentes de saúde; Secretaria usa drones para mapear terrenos

RIO - Uma equipe de 800 homens do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio começou nesta segunda-feira, 22, a auxiliar agentes de saúde, visitando imóveis para identificar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e febre chikungunya.

O serviço será realizado em municípios da Baixada Fluminense e da Região Metropolitana, escolhidos segundo critérios técnicos, como o índice de infestação pelo mosquito e o tamanho da equipe de agentes de cada município. A expectativa é de que 100 bombeiros, acompanhados por agentes municipais de controle de endemias, visitem diariamente 2 mil imóveis.

Antes das visitas às áreas determinadas pelas prefeituras, um drone da Secretaria de Estado de Defesa Civil vai sobrevoar a região para identificar, do alto, possíveis criadouros dos mosquitos. As informações colhidas pelo drone vão ajudar a orientar o trabalho dos agentes e bombeiros.

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

A força-tarefa foi apresentada nesta segunda pelo governo do Estado e já começaria a atuar em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Entre os municípios atendidos também figuram São Gonçalo, Itaboraí, Itaguaí e Duque de Caxias. A responsabilidade pela visitação é do município, mas a gravidade da situação levou o Estado a criar a força-tarefa e oferecer treinamento aos bombeiros. O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) admitiu a gravidade da situação, mas previu melhoras: “a gente enverga, mas não quebra. Com a entrada do Corpo de Bombeiros, vamos vencer essa guerra”, afirmou.

As visitas acontecerão de segunda-feira a sábado. Caso sejam localizados focos que não possam ser eliminados de forma mecânica (tirando a água já acumulada e tampando ou mudando de lugar objetos que possam acumular água), agentes municipais serão acionados para aplicar larvicida.

Segundo o secretário estadual de Defesa Civil, coronel Ronaldo Alcântara, “os militares estão capacitados para abordar corretamente os moradores, identificar os focos do mosquito e alertar a população sobre os perigos da proliferação dos focos”.

“Contamos com o apoio da população para que o acesso das equipes seja autorizado quando solicitado. Buscar os focos e entender a importância de dedicar alguns minutos por semana para evitar a proliferação do mosquito é essencial. O combate é um dever de todos. Só com a redução da circulação do mosquito é que vamos conseguir reduzir os casos das doenças que ele transmite”, afirmou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX