Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Governo do Rio vai dar bolsa extra a estudantes de pediatria

Governador Sérgio Cabral disse que decreto que aprova o incentivo será assinado em até 30 dias

Agência Brasil,

28 Março 2011 | 19h55

Rio - O governador do Rio, Sérgio Cabral Filho, informou nesta segunda-feira, 28, que a Secretaria de Saúde vai conceder uma bolsa extra para os residentes de pediatria, devido à grande carência constatada em todo o país nessa especialidade.

"O secretário Sérgio Cortez me apresentou um plano de médio prazo, estratégico para o Rio, que é pagar uma bolsa, além da que já se paga com recursos do Ministério da Educação, para todos os residentes de pediatria não só estaduais, como também municipais e federais".

O anúncio foi feito durante a inauguração de um tomógrafo móvel na Cinelândia, no centro do Rio. Cabral disse ainda que pelo fato de o problema ser nacional, outros estados devem copiar a ideia. "Para cada 100 médicos formados, menos de dez são pediatras. É uma carência gigantesca. É uma forma de tentar atrair esse profissional".

O valor da bolsa ainda não foi definido, mas o governador garantiu que em até 30 dias ele deverá ter assinado o decreto que aprova o incentivo.

Uma pediatra da rede municipal de saúde, que preferiu não se identificar, chamou a iniciativa de paliativa. "Na verdade, não é um compromisso com a pediatria, pois os salários são muito defasados, sobretudo se comparados ao investimento que um aluno fez para se formar. A carreira de pediatria é muito gratificante, mas o salário no serviço público é indigno".

A medica explicou que diferentemente de outras especialidades, o pediatra não tem outros procedimentos para conseguir uma remuneração maior, como intervenções cirúrgicas por exemplo.

"O pediatra tem que trabalhar muito mais para ter um salário parecido aos colegas de outras especialidades. Resultado: os professores de pediatria estão implorando aos alunos que sigam essa especialidade".

Mais conteúdo sobre:
pediatria medicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.