1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Governo faz simulação de chegada de infectado com Ebola ao Galeão

Tiago Rogero - O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2014 | 12h 02

Ministério da Saúde ressaltou que não há caso suspeito da doença no País e que ação teve objetivo de preparar rede de vigilância

Atualizado às 18:37

RIO - O Ministério da Saúde coordenou nesta sexta um exercício para simular as medidas adotadas em resposta a um possível caso de Ebola no País. A simulação começou no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, por volta das 9h e terminou às 11h25 na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, o hospital referência no Rio para uma eventualidade da doença. Os próximos exercícios simulados, ainda sem data definida, serão realizados nos aeroportos de Brasília e Guarulhos.

Participaram da ação cerca de 100 agentes de Ministério, Fiocruz, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Secretaria Estadual de Saúde, Polícia Federal, Corpo de Bombeiros, a concessionária Rio Galeão, que administra o terminal, e a companhia aérea TAM, que emprestou a aeronave. O Ministério da Saúde voltou a reforçar que não há casos de Ebola e sequer de suspeita da doença no Brasil.

Wilton Júnior/Estadão
Todos os profissionais que tiveram contato com o militar que simulou ser paciente usavam roupas, luvas e máscaras de proteção

A ação começou com a simulação de um passageiro com sintomas da doença (febre de início súbito, acompanhada de sinais de hemorragia) dentro do avião. A equipe de bordo então contatou a Anvisa, que por sua vez comunicou Ministério e Secretarias Municipal e Estadual de Saúde. Os passageiros foram evacuados, já que nenhum deles teve contato direto com sangue e/ou secreções do passageiro infectado - o vírus não é transmitido pelo ar -, e tiveram início os trâmites para a transferência dele à Fiocruz.

A única parte da simulação à qual teve a imprensa acesso foi a chegada do paciente, "interpretado" por um militar das Forças Armadas, ao hospital. Quando a ambulância do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) estacionou, o paciente levantou-se e deitou na maca com rodas que o aguardava - todos os profissionais que tiveram acesso a ele usavam roupas, luvas e máscaras de proteção; uma funcionária da Fiocruz, também protegida, cuidava de limpar o piso imediatamente após a passagem da equipe médica com o enfermo.

"Embora seja considerada baixa a possibilidade de um viajante infectado por Ebola chegar ao Brasil, foram colocados em teste os procedimentos que devem ser seguidos pelas equipes de saúde", informou o Ministério em nota. A ação teve o objetivo de "preparar a rede de vigilância em saúde para uma resposta rápida e eficiente frente aos desafios impostos pela doença."