Governo federal abre rodada extra do Mais Médicos para 310 cidades

A inscrição para médicos brasileiros se encerra na quinta-feira, 3; profissionais formados no exterior poderão se inscrever entre os dias 5 e 7

Lisandra Paraguassu , O Estado de S. Paulo

01 Abril 2014 | 16h22

BRASÍLIA - O governo federal abriu uma rodada extra nesta terça-feira, 1º, do programa Mais Médicos para 310 cidades. Entre os municípios estão 184 que ainda não haviam aderido ao programa, mas estão dentro dos critérios de vulnerabilidade social, e outros 126 que já participam, mas pediram mais profissionais e ainda têm equipes de saúde da família incompletas.

A contratação de médicos para o programa havia sido encerrada no final do ano passado, quando o governo anunciou que tinha alcançado a meta de contratar 13.235 profissionais para 4.040 municípios. Desses, 10.687 são médicos cubanos contratados por meio de convênio com a Organização Pan-Americana de Saúde. Apenas 1.433 brasileiros formados no País estão no programa. Os demais 1.115 são outros estrangeiros ou brasileiros graduados no exterior.

"Seria impossível atender o Brasil real sem a participação dos cooperados (os médicos cubanos). Isso mostra o acerto da estratégia do governo federal", disse o ministro da Saúde, Arthur Chioro, ao defender o acordo com o governo de Cuba.

Esta nova etapa tem o prazo bastante curto. A inscrição para médicos brasileiros foi aberta nesta terça-feira, 1º, e já se encerra na próxima quinta-feira, 3. Profissionais formados no exterior terão entre os dias 5 e 7. Se as vagas não forem preenchidas, serão chamados mais profissionais cubanos.

"Precisamos fazer um rito curto para passar logo a situação de estabilidade do programa. Precisamos poder avaliar o impacto do programa e desencadear toda estratégia de tutoria e especialização para os médicos", afirmou o ministro da Saúde, Arthur Chioro. Até junho todos os novos médicos selecionados - entre eles os novos cubanos que poderão ser chamados para preencher essas vagas - deverão estar trabalhando. A partir daí há outro problema: a lei proíbe contratações em anos eleitorais.

Municípios paulistas. São Paulo tem 21 municípios na lista dos que poderão ser contemplados. A maioria deles já faz parte do programa e pediu ampliação. Apenas quatro - Araras, Guaratinguetá, Juquitiba e Pindamonhangaba - não aderiram nos quatro ciclos anteriores e poderão fazê-lo agora.

"Um contingente importante não fez a adesão por vários motivos. Houve casos de transição, novos prefeitos. E alguns não tiveram coragem de enfrentar o debate. Mas achamos importante essa nova oportunidade", disse Chioro. O número de vagas ainda será determinado pela adesão dos municípios e os pedidos das prefeituras. O ministro avalia que deverá ficar em torno de 600 novos médicos.

O ministério também apresentou dados de uma pesquisa preliminar com 688 equipes de saúde da família completadas com os profissionais do Mais Médicos. O número de consultas marcadas cresceu 7%. O número de consultas e acompanhamentos de pessoas com hipertensão, 27,3%; de diabéticos, 14,3%; de saúde mental, 17,3%.

"A estratégia adotada pelo governo federal foi muito correta porque priorizou as áreas de maior vulnerabilidade. A chegada desses profissionais teve impacto muito significativo e vai proporcionar mudanças significativas nos nossos indicadores", afirmou Chioro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.