Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Governo prevê campanha contra febre amarela para grupo específico

A ideia é fazer uma segunda onda de imunização quando o número de casos da doença estiver em queda

Jamil Chade, correspondente de O Estado de S. Paulo na Suíça, e Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2018 | 06h00

BRASÍLIA E GENEBRA - Em uma reunião nesta quarta-feira, 17, por teleconferência, o governo brasileiro indicou a técnicos da Organização Mundial da Saúde (OMS) que não descarta realizar uma segunda fase de vacinação contra a febre amarela, desta vez em centros urbanos. E já negocia o apoio da agência.

+++ OMS põe SP em mapa de risco da febre amarela e Estado antecipa vacinação

A ideia é fazer uma segunda onda de vacinação quando o número de casos da doença estiver em queda. A imunização poderia atingir determinados grupos, em todo território nacional. No ano passado, por exemplo, o governo brasileiro já havia decidido estender a vacinação para crianças maiores de 9 meses em todo o País. A estratégia foi suspensa diante da ameaça do aumento expressivo de número de casos, mas a expectativa é de que ela seja retomada. 

+++ OMS estuda validade de vacina fracionada para a febre amarela

O governo brasileiro ainda deixou claro na reunião seu descontentamento com o alerta emitido pela Organização Mundial da Saúde na terça-feira, 16, em que classificou o Estado de São Paulo como área de risco para febre amarela. Na teleconferência, feita a pedido da OMS, representantes brasileiros se queixaram por não terem sido previamente comunicados.

+++ SP estuda antecipar ainda mais fracionamento de vacina da febre amarela

Na terça-feira, o ministro da Saúde em exercício, Antonio Carlos Nardi, em público afirmou que a nova classificação da OMS contava com o apoio do governo brasileiro. Na ocasião, ele se referiu à decisão como “excesso de zelo.” Internamente, no entanto, não havia como esconder a insatisfação.

Antes de mudar a declaração, a OMS havia questionado autoridades brasileiras. Uma resposta foi encaminhada. A expectativa do governo brasileiro era de receber um comunicado da OMS. Mas acabou surpreendido com o alerta oficial.

 

Emergência

Por enquanto, está descartado declarar o surto como uma emergência internacional, como aconteceu com o vírus zika. Mas a OMS pediu explicações sobre o plano para frear a doença. Ficou acertado que haverá reuniões semanais para atualizar o quadro.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.