Gripe A não é mais fatal no Brasil que em outros países, diz OMS

Para organização, um dos fatores que explicam alto número de mortes do País é a transparência na divulgação

Agência Brasil,

02 Setembro 2009 | 18h14

O grande número de mortes causadas pela influenza A (H1N1) - gripe suína, no Brasil, não é um indicativo de que a doença seja mais fatal aqui do que em outros países, afirmou David Mercer, diretor regional do Departamento de Doenças Infecciosas da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Europa, em entrevista concedida nesta quarta-feira, 2, à Agência Saúde, do Ministério da Saúde.

 

Para o diretor, um dos fatores que explicam o alto número de mortes registradas no País é a transparência do governo em divulgar os casos. No Brasil e nos Estados Unidos, que registram os maiores números de mortes em decorrência da influenza A (H1N1) - gripe suína, os governos são transparentes na divulgação dos dados, segundo Mercer.

 

O diretor considerou acertada a política do Brasil para a indicação do medicamento fosfato de oseltamivir (Tamiflu), como recomenda a OMS. O remédio é indicado somente para os pacientes com doença respiratória grave, pertencentes a grupos de risco.

 

Mercer alertou para a possibilidade de escassez de vacina contra a doença, por isso orientou para que os grupos de risco tenham prioridade na imunização. Segundo o diretor da OMS, o Brasil, por sua condição de produtor da vacina, estará numa posição melhor do que alguns países, mas, mesmo assim, não poderá deixar de fazer um levantamento da quantidade de pessoas que deverão ser vacinadas.

 

A vacina para a gripe suína está em fase de testes clínicos e só imunizará contra a influenza A (H1N1) - gripe suína. Para se proteger contra a gripe sazonal, as pessoas deverão tomar a vacina específica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.