Gripe: nova política de tratamento dá poder a médicos

Os detalhes do novo documento foram acertados na segunda-feira, durante reunião com especialistas

AE, Agencia Estado

06 Agosto 2009 | 10h04

Novartis começa a testar vacina da gripe suína em humanosA nova política para tratamento de pacientes de gripe suína, que flexibiliza a indicação do antiviral oseltamivir (genérico do Tamiflu), foi apresentada ontem pelo Ministério da Saúde com a divulgação de um novo manual sobre a doença. Nesta versão, foram mantidas diretrizes para o uso do remédio, mas exceções são previstas: "Prescrição e dispensação não previstas neste protocolo ficam sob responsabilidade conjunta do médico responsável e da autoridade de saúde local". Com isso, fica permitido a médicos, em casos específicos, iniciar o tratamento quando achar melhor, com a dose que achar necessário e pelo tempo que julgar mais adequado.

Os detalhes do novo documento foram acertados na segunda-feira, durante reunião com especialistas. Mas a inclusão da frase causou polêmica no grupo. Um setor, liderado pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), defendia mais liberdade para médicos. Outro temia que a mudança levasse parte dos profissionais a prescrever o remédio exageradamente.

Ontem, em novo balanço, o Ministério da Saúde anunciou o registro de 96 mortes por Influenza A (H1N1) no País. Pela contagem das secretarias estaduais e municipais, o número até ontem chegava a 133, sendo São Paulo o Estado com o maior número de óbitos: 53. O porcentual de casos graves dobrou em duas semanas. De acordo com o boletim, 28,5% das infecções provocadas pelo vírus A (H1N1) receberam essa classificação. Em 23 de julho, quando o primeiro boletim com a nova metodologia foi anunciado, 14,2% dos pacientes haviam apresentado a forma grave da doença. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.