Gripe suína é 'ineficiente' contra humanos, diz estudo

O vírus tem uma proteína em sua superfície que não é boa em para ligar-se ao aparelho respiratório humano

02 Julho 2009 | 17h00

Enquanto a gripe suína continua a se espalhar pelo mundo, pesquisadores dizem ter encontrado a razão pela qual ela é - até agora - mais como um conjunto de labaredas isoladas que como um gigantesco incêndio florestal.

 

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

O novo vírus, H1N1, tem uma proteína em sua superfície que não é muito eficiente para ligar-se aos receptores do aparelho respiratório dos seres humanos, disseram cientistas da Divisão de Ciências e Tecnologias da Saúde da Universidade Harvard-MIT, em artigo publicado na revista Science.

"Embora o vírus seja capaz de se ligar a receptores humanos, ele claramente parece sofrer restrições", disse o principal autor do trabalho, Ram Sasisekharan.

 

Mas os vírus da gripe são conhecidos por sofrer mutações constantes, destaca a equipe de pesquisas, então o H1N1 precisa ser acompanhado de perto.

 

O artigo de Sasisekharan alerta, ainda, que o vírus pode requerer uma única mudança para se tornar resistente à droga Tamiflu, recomendada para combatê-lo. Dois casos de imunidade ao Tamiflu foram registrados até agora, em meio a mais de 70 mil casos da doença: um na Dinamarca e um no Japão.

 

Confira, abaixo, o histórico dos casos em alguns dos países afetados das Américas:

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.