1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Hemocentro de SP pode testar zika em transfusão

- Atualizado: 06 Fevereiro 2016 | 10h 58

Objetivo é avaliar bolsas destinadas a grávidas e cirurgias intrauterinas; método ainda precisa de aval de Comitê de Ética

Uma técnica para testar a existência do vírus zika antes de transfusões de sangue deve ser adotada em breve pelo Hemocentro de São Paulo. O objetivo inicial é checar o sangue destinado a mulheres grávidas e também para cirurgias intrauterinas em fetos.

O método foi desenvolvido pela equipe de José Eduardo Levi, chefe do Departamento de Biologia Molecular da Fundação Pró-Sangue/Hemocentro de São Paulo, ligado à Universidade de São Paulo (USP) e à Secretaria de Estado da Saúde, e será submetido logo após o carnaval à aprovação do Comitê de Ética. Só com esse aval, o teste entra em operação.

De acordo com Levi, o exame é semelhante ao que vem sendo usado para fazer o diagnóstico da doença – a partir da tecnologia de PCR, que identifica fragmentos do DNA do vírus. Ele já vinha trabalhando para desenvolver a técnica para as bolsas de sangue desde a chegada do zika ao Brasil, e ganhou um impulso depois que foi identificado, em Campinas, um caso de contaminação por transfusão.

Num primeiro momento, por ainda não haver tecnologia e recursos para testar em todas as bolsas de sangue, o foco serão as gestantes e os fetos, grupos mais suscetíveis por causa da suspeita de que o zika possa levar à microcefalia. Das cerca de 12 mil bolsas do Hemocentro, cerca de 20 devem ser testadas – 0,17%. A medida, no entanto, é preventiva, já que não existe comprovação de que o vírus contraído via transfusão traga de fato o risco ao feto.

Com a dengue, por exemplo, vírus semelhante ao zika, sempre se soube que ele pode ser transmitido em transfusão, mas não existe relato de receptores que ficaram doentes. Por isso, nunca houve a necessidade de testar o sangue. “Mas não podemos fazer a mesma analogia com o zika, porque também nunca ninguém tinha visto microcefalia em caso de dengue. São parecidos, mas têm comportamento diferente.”

O pesquisador aponta que a suspeita de relação entre o zika e a síndrome de Guillain-Barré também preocupa e que se houver algum indicativo de que ela é transmitida em transfusão, o teste talvez tenha de ser ampliado. Outra vantagem de testar se os doadores estão infectados é o aumento do diagnóstico no Estado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX