1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Hospital usa garrafa PET como máscara de oxigênio e bebê morre

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 10h 48

Casal de gêmeos nasceu prematuro em Jutaí, cidade do interior do Amazonas; menina morreu cerca de 10 horas após o parto

MANAUS - Uma recém-nascida morreu e outro bebê está internado após Hospital do Município de Jutaí, a 751 quilômetros de Manaus, improvisar garrafas PET como máscaras de oxigênio. Filhos da dona de casa Francisca Neres, de 20 anos, o casal de gêmeos nasceu prematuro, à 1 hora da última quinta-feira, 28. Sem o devido suporte neonatal, a menina morreu 10 horas após o parto.

O menino Gabriel sobreviveu e teve alta do hospital no domingo, 31, mas retornou pela noite e foi internado. Na tarde desta segunda-feira, o bebê foi transportado para Manaus por meio de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea. Na capital, ele será encaminhado à Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais da Maternidade Ana Braga.

Improviso. O menino Gabriel sobreviveu, mas sua irmã morreu

Improviso. O menino Gabriel sobreviveu, mas sua irmã morreu

Irmão de Francisca, o cabeleireiro Raimundo Neres, de 23 anos, que reside na capital, informou que a mãe estava preocupada com a saúde do menino. "Ele passou mal no domingo e todos ficaram desesperados para trazê-lo a Manaus. Deram alta para a criança e, depois, querem colocar a culpa na família", protestou o tio das vítimas.

Acionada pela Secretaria Estadual de Saúde (Susam), ainda no fim de semana, a direção do Hospital de Jutaí informou que "os gêmeos nasceram de 7 meses e que a menina tinha um quadro pulmonar mais debilitado.

Mesmo tendo sido submetida aos mesmos procedimentos que o irmão, ela não resistiu por causa do quadro de infecção respiratória aguda de etiologia alveolar, ocasionada por síndrome de membrana hialina, principal complicação de prematuridade".

A direção destacou ainda que "a falta da máscara de venturi - que não estava disponível na unidade e que foi substituída pelo material improvisado de garrafa PET - não teria contribuído para o óbito do bebê".

De acordo com a secretaria, "as circunstâncias do atendimento estão sendo apuradas, para as medidas cabíveis, além das providências imediatas já adotadas". A Susam informou ainda que o médico que realizou o procedimento é contratado pela prefeitura de Jutaí.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX