Idosos respondem por apenas 2% das doações de sangue em SP

Segundo levantamento da Fundação Pró-Sangue, as doações caem conforme a idade aumenta

estadão.com.br

02 Setembro 2010 | 17h40

SÃO PAULO - Um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde com base nos dados da Fundação Pró-Sangue, instituição ligada à secretaria, aponta que os idosos representam apenas 2% dos doadores de sangue em São Paulo. O estudo também mostra que as doações caem conforme a idade aumenta.

A faixa etária de 18 a 29 anos é a que mais tem doadores (37%), seguida das pessoas de 30 e 39 anos, que representam 31% do total, e das entre 40 e 49 anos, com 21%. Os paulistas com 50 a 59 anos correspondem a apenas 9% das doações. Quem tiver de 18 a 66 anos, boas condições de saúde e pesar no mínimo 50kg está apto à doação.

"Embora a participação dos idosos seja limitada por fatores como problemas de saúde, ainda é possível aumentar esse número. A população está envelhecendo e é preciso que os mais velhos também tenham essa atuação social, ajudando a salvar vidas por meio da doação", afirma Frederico Carbone Filho, médico da Hemorrede da secretaria.

A Organização Mundial de Saúde estima que 3% a 5% da população na faixa etária estipulada seja doadora para que os estoques de sangue sejam mantidos regularmente. No Estado de São Paulo, 2% da população faz doação regular.

A Fundação Pró-Sangue tem quatro postos de coleta na capital. Para facilitar a doação, o posto Clínicas atende todos os dias da semana, inclusive aos sábados, domingos e feriados. Fica na avenida Dr. Enéas Carvalho de Aguiar, 155, 1º andar, e funciona de segunda a sexta, das 7h às 19h, e aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 18h.

A lista dos postos de coleta de todo o Estado pode ser consultada no site da secretaria. Os dias e horários de funcionamento dependem de cada unidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.