1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

‘Impressão digital’ do vírus zika é decifrada em Campinas

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 09h 23

Descoberta é ponto de partida para a criação de vacina e de medicamentos que impeçam a transmissão de grávidas a bebês

CAMPINAS - A “impressão digital” do vírus zika foi decifrada pelo Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), em Campinas, após um trabalho de três meses desenvolvido em conjunto por 20 pesquisadores. Essa descoberta é o ponto de partida para a criação de uma vacina e de medicamentos que impeçam a transmissão do vírus de grávidas contaminadas para bebês.

Um laboratório farmacêutico, cujo nome não foi divulgado, iniciou uma parceria com o LNBio para desenvolver biofármacos e para estudar a viabilidade de uma vacina. Não há previsão para que esses medicamentos ou imunizantes estejam à disposição, mas os trabalhos já começaram. “Qualquer previsão de prazo é feita com base em experiências com outros vírus, mas cada caso é diferente. Podem surgir imprevistos que retardem o desenvolvimento dos medicamentos. Por isso, não estipulamos datas”, disse Kleber Franchini, diretor do LNBio e coordenador da pesquisa.

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

O laboratório, uma organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação que funciona ao lado do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, começou as pesquisas em novembro, após os indícios de que o zika poderia causar microcefalia e outras doenças neurais. O primeiro objetivo foi mapear a estrutura molecular do vírus zika, verificando as diferenças com o da dengue, por exemplo, e identificar como interage com células humanas e seus pontos de conexão.

Bebê. A segunda frente identifica substâncias essenciais para a produção de fármacos, como moléculas que inibem a infecção ou a replicação do vírus, sem danos às células humanas. “O laboratório que está iniciando parceria conosco quer desenvolver um anticorpo monoclonal. Com ele, é possível impedir que o vírus em uma mulher grávida se propague e atinja o bebê”, exemplifica Franchini

O terceiro foco quer identificar com precisão quais são os períodos críticos, quando a exposição ao zika pode associar-se a danos neurais, como a microcefalia. As pesquisas continuam, mas com as informações já obtidas pelos pesquisadores é possível iniciar o desenvolvimento de medicamentos.

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX