Arquivo/AE
Arquivo/AE

Justiça permite cirugia forçada em britânica com fobia de hospital

Médicos poderão sedá-la e operá-la à força para a retirada dos ovários e das trompas

BBC Brasil, BBC

27 Maio 2010 | 10h03

LONDRES - A Justiça britânica deu permissão ao sistema público de saúde para obrigar uma paciente de câncer que tem fobia de hospitais a passar por uma cirurgia.

 

Veja também:

linkHospital na Espanha realizará primeiro transplante de pernas do mundo

Segundo o juiz responsável pelo caso, a paciente de 55 anos, identificada apenas pelas iniciais P.S., não tem a capacidade de tomar decisões sobre a sua própria sua saúde.

Os médicos alegavam que ela morreria se não tivesse seus ovários e suas trompas de Falópio removidos.

A mulher havia sido diagnosticada com câncer no útero no ano passado.

Segundo os médicos, o tumor de P.S. tem crescimento lento, mas pode se espalhar e matá-la se não for retirado.

Agulhas e hospitais

A mulher tem medo de agulhas e de hospitais, e se negou a comparecer às consultas marcadas para o tratamento.

Segundo o juiz do caso, ela tem "um funcionamento intelectual significativamente debilitado".

O magistrado disse que se ela não for convencida a seguir com o tratamento, os médicos poderão sedá-la para levá-la ao hospital e operá-la. Eles também poderão retê-la para o período pós-operatório.

"Apesar de a decisão ser incomum e poder envolver o uso da força, estou ainda assim impressionado com o cuidado e a análise dispendidos para garantir que P.S. receba um tratamento que ela claramente necessita e que é de seu interesse receber", afirmou o juiz.

As decisões desse tipo normalmente são mantidas em sigilo pela Justiça britânica, mas o juiz afirmou que decidiu torná-la pública para ajudar outros "que podem enfrentar um dilema parecido". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.