Lagartas inspiram a construção de robôs mais ágeis e leves

Batizada de GoQBot, a máquina é capaz de imitar as rápidas cambalhotas com que esses animais escapam do perigo

Efe,

27 Abril 2011 | 03h00

WASHINGTON - As rápidas cambalhotas com quais as lagartas escapam do perigo, consideradas um dos movimentos mais velozes da natureza, se transformaram em uma inspiração para a construção de uma nova geração de robôs leves e mais ágeis.

 

 

As conquistas obtidas até agora são descritas em artigo publicado nesta quarta-feira, 26, pela revista Bioinspiration & Biomimetics, e que vem acompanhado de um vídeo que demonstra as piruetas das lagartas e os robôs que as imitam.

 

Até agora, a ciência criara robôs que, apesar de desenvolver uma certa flexibilidade e capacidade de adaptação, contavam com velocidade muito limitada. Por isso, segundo o artigo, os pesquisadores voltaram sua atenção aos animais terrestres de corpo branco em busca de inspiração.

 

Algumas lagartas têm a capacidade extraordinária de rodopiar e pular para escapar dos predadores, e este movimento, chamado de "balística rodante", é considerado um dos mais rápidos que se conhecem na natureza.

 

Os pesquisadores da Universidade de Tufts, nos Estados Unidos, viram aí uma oportunidade para o projeto de um robô que imite essa pirueta das lagartas e ajude a melhorar a compreensão da mecânica da "balística rodante".

 

Para imitar o movimento de uma lagarta, os pesquisadores desenvolveram um robô de 10 centímetros de comprimento com um corpo leve, que foi batizado de GoQBot, feito de silicone e operado por molas de ligas metálicas que se contraem sob o efeito de descargas elétricas.

 

A denominação "Q" faz referência à forma adotada pelas lagartas antes do pulo e que permite que se afastem rodopiando a meio metro por segundo. O GoQBot foi projetado para copiar especificamente a morfologia funcional de uma lagarta e é equipado com cinco emissores de luz infravermelha em seus flancos para permitir o acompanhamento dos movimentos com um dos mais avançados sistemas de rastreamento tridimensional.

 

Para mudar de forma em menos de 100 milisegundos, o GoQBot se beneficia de um alto grau de coordenação mecânica, similar à que ocorre mediante o acoplamento não linear de músculos nos animais.

 

Há muitos robôs modernos inspirados em serpentes, vermes e lagartas, devido à capacidade destes animais para subir em lugares difíceis. Mas, a princípio, os corpos sem membros reduzem a velocidade dos robôs.

 

Por outro lado, há muitos robôs que empregam um movimento rotatório para viajar com alta velocidade e eficácia, mas são os que têm mais dificuldades para alcançar lugares difíceis, aponta o estudo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.