1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Entrevista. Gustavo Fernandes

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, aprovação da fosfoetanolamina no Senado prejudica a pesquisa

Liberação da 'pílula do câncer' é oportunista, diz especialista

'Os órgãos competentes para esse tipo de análise foram ignorados'

'Os órgãos competentes para esse tipo de análise foram ignorados'

RIO - O presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Gustavo Fernandes, classificou de oportunista a aprovação pelo Senado da chamada “pílula do câncer”. Para ele, o Congresso “agiu por desespero”, numa tentativa de se aproximar dos eleitores em um momento de impopularidade de políticos. Fernandes disse que a liberação da fosfoetanolamina prejudica a pesquisa clínica. “É isso o que o Congresso tem oferecido para a gente ultimamente: resoluções desqualificadas.” A sociedade recomenda aos médicos que não prescrevam a “pílula do câncer”. Em conjunto com entidades médicas, ela prepara carta aberta à presidente Dilma Rousseff, pedindo o veto à lei. Fernandes é diretor-técnico do Centro de Oncologia do Hospital Sírio Libanês, em Brasília.

Como o senhor vê a aprovação da chamada "pílula do câncer"?

É uma medida baseada no desespero. Sem dúvida nenhuma a decisão foi política. Não houve contestação. Não houve voto contra. Um voto sobre tema técnico, é preciso chamar técnicos. Se eu tivesse que dar opinião sobre Direito, sobre impeachment da Dilma, provavelmente ficaria calado. Não tenho conhecimento técnico. Todo brasileiro tem direito a dar opinião sobre futebol. Sobre ciência, não. As pessoas não estão habilitadas a falar. Não há sentido em discutir ciência em roda de boteco. É uma medida oportunista do ponto de vista eleitoral, sem o debate adequado, por gente que não tem qualificação. É isso o que o Congresso tem oferecido para a gente ultimamente: resoluções desqualificadas.

A política atropelou a ciência?

Sem dúvida. Os órgãos competentes para esse tipo de análise foram ignorados. É difícil ter unanimidade. Fizemos pesquisa na SBOC e 98% dos oncologistas acreditam que não há evidência suficiente para tratar ninguém com a substância. A ciência foi completamente atropelada por razões políticas; nem houve discussão. Foi aprovado por aclamação. É uma desmoralização para o Ministério da Saúde, para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A opinião dos órgãos técnicos do governo e da sociedade foi solapada.

Qual a consequência dessa aprovação?

O triste é que a gente vai terminar sem pesquisa. Isso mata o estudo clínico. Que paciente vai entrar num protocolo de pesquisas se a droga já está disponível? Essa aprovação ocorreu no momento em que o espaço estava sendo tomado, tem uma pesquisa providenciada, o Ministério da Saúde começou a estudar a substância, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo tem estudo desenhado, estava tudo andando. Você percebe que isso é oportunista, que não é sério. O que se gerou foi uma solução tupiniquim, criou-se uma Anvisa legislativa. A gente vai continuar com o mesmo problema do passado - mais de 40 mil pacientes usaram o medicamento e a gente não conhece o resultado.

Qual a recomendação da SBOC para os médicos?

A recomendação da sociedade é para que os médicos não prescrevam a substância. O paciente que já estiver em uso da fosfoetanolamina continuará a ter todo acompanhamento que precisa. Sobre possível punição para o médico que prescrever, cabe ao Conselho Federal de Medicina (CFM). A Sociedade não excluirá ninguém dos seus quadros.

O senhor acredita num efeito em cascata, que haverá pressão para aprovação por lei de outras substâncias?

É um precedente perigoso. Criou-se uma forma alternativa de se oferecer medicamento sem pesquisa clínica. Na história da medicina, pesquisa clínica sem controle já foi feita. E ocorreram verdadeiras atrocidades no passado, como procedimentos cirúrgicos experimentais.

O senhor acredita que a presidente Dilma vá vetar a lei?

Juro que não tenho expectativa a esse respeito. No momento em que o Brasil vive, não sei se ela tem coragem de tomar medida antipopular de vetar essa lei. Se ela fizer isso, vou levantar e aplaudir. Porque será valorizar o corpo técnico do Ministério da Saúde.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX