1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Literatura de cordel é usada na luta contra o 'Aedes' em Olinda (PE)

- Atualizado: 04 Março 2016 | 03h 00

Material ganha salas de aula para mostrar, de maneira divertida, a importância de ações contra dengue, zika e chikungunya

Para professora, musicalidade, poesia e rima facilitam o aprendizado

Para professora, musicalidade, poesia e rima facilitam o aprendizado

RECIFE - Poesia e literatura. Foram estas as “armas” escolhidas pela educadora pernambucana Rivani Nasario para chamar a atenção dos alunos da Escola Municipal Mizael Montenegro Filho, no bairro de Casa Caiada, em Olinda, região metropolitana do Recife, para a importância do combate ao Aedes aegypti. Um cordel escrito pela pedagoga, que é diretora da unidade de ensino, está sendo usado nas salas de aula para mostrar, de maneira divertida, de fácil compreensão e com linguagem popular, a importância do engajamento da garotada na luta contra dengue, zika e chikungunya.

O Estado teve até agora 25.054 notificações só de dengue, um aumento de 155% em comparação com o mesmo período de 2015. Além disso, são investigadas 64 mortes pela doença. Foram notificados ainda 1.672 casos de bebês com microcefalia em Pernambuco - 215 foram confirmados e 67 teriam ligação com zika.

A ideia, afirma Rivani, nasceu da observação da necessidade de levar a informação de forma lúdica, aumentando as chances de integração de crianças e jovens. “Vimos muitas campanhas nos veículos de comunicação de massa, mas muitas vezes a linguagem usada acaba não atraindo este público em especial. E se tem uma coisa que eu aprendi, desde cedo, é que se você educar e conscientizar uma criança, um jovem, as chances de atingir grande parte do restante da família crescem bastante. Como já trabalho há anos com cordel, juntei o útil ao agradável.” 

Etapas. O trabalho com os alunos começou na semana passada e será divido por etapas. Os 222 estudantes matriculados na unidade estão espalhados pelas séries iniciais do ensino fundamental (1.º ao 5.º ano) e têm em geral entre 6 e 11 anos de idade. A cada semana, o cordel será apresentado em uma turma, separadamente. “No primeiro momento, conto a história da literatura de cordel. Depois apresento o livreto que fala de dengue, zika e chikungunya. São 24 estrofes, mas com os alunos trabalho apenas sete”, diz a diretora. “A musicalidade, a poesia e a rima facilitam o aprendizado”, destaca a educadora.

A estudante Clara Silva, de 10 anos, aprovou a ideia. “Eu adorei. Foi divertido e a gente decorou rapidinho os cuidados que devemos ter para que o mosquito não se reproduza e provoque essas doenças ruins. Eu já tive dengue e fiquei com muita dor e febre”, comentou. 

A segunda etapa será feita pelas professoras. Durante as aulas regulares, elas vão propor atividades que abordam o combate ao mosquito. Palavras cruzadas, pinturas, desenhos, construção de versos, escrita de frases e textos são algumas das sugestões. A definição vai depender da faixa etária dos estudantes.

5 mitos sobre zika e microcefalia
AP Photo/Felipe Dana
Criança de 7 anos e idosos tem sequelas por zika? MITO

Áudios circularam em grupos de WhatsApp mencionando a possibilidade e a existência de crianças menores de 7 anos e idosos com sintomas neurológicos decorrentes do vírus zika. A Fiocruz esclarece que não há registro nem fundamentação científica. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX