1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Maioria defende que infectadas por zika não devem abortar

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 09h 31

Datafolha apontou que 58% dos brasileiros são contra interrupção de gravidez; à 'Rádio Estadão', ministro defende 'legalidade'

SÃO PAULO - Para 58% da população brasileira, mulheres infectadas pelo vírus zika não deveriam ter permissão para abortar. A maioria também mantém a postura  mesmo em casos de confirmação de que o bebê terá microcefalia (51%), a má-formação no cérebro de recém-nascidos.

Esse é o resultado de uma pesquisa do Datafolha divulgada nesta segunda-feira, 29. A defesa do direito ao aborto nestes casos foi feita por 32% dos entrevistados, e 10% não opinaram. A rejeição ao aborto é maior entre mulheres (61%, ante 46% dos homens). 

O biólogo Lucas Alvizi, que participou da força-tarefa de pesquisadores paulistas em Sergipe, realizando entrevistas e coletando amostras de sangue e saliva dos bebês e das mães

O biólogo Lucas Alvizi, que participou da força-tarefa de pesquisadores paulistas em Sergipe, realizando entrevistas e coletando amostras de sangue e saliva dos bebês e das mães

Estudos recentes  reforçam as evidências de que a epidemia de zika pode estar associada ao surto de casos de bebês nascidos com microcefalia no Brasil. Um grupo de estudiosos de questões ligadas às mulheres, o Instituto Anis, já afirmou que pretende apresentar em até dois meses uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para permitir a legalização do aborto decorrente de contágio pelo vírus zika. O processo deverá pedir à Corte que conceda o direito às gestantes de interromper a gravidez caso tenham sido infectados pelo vírus que pode causar, entre outras doenças, microcefalia nos fetos.

Nesta segunda-feira, 29, o ministro da Saúde Marcelo Castro disse, em entrevista à Rádio Estadão, que a posição do ministério é a da "defesa da legalidade". "Nós somos agentes públicos e cabe a nós não fazer as leis, mas aplicá-las. E as leis brasileiras não permitem o aborto nesses casos de microcefalia. É permitido no caso de anencefalia, no caso de estupro e no caso de perigo de vida iminente da mãe. O Supremo Tribunal Federal vai julgar sobre isso. É um debate que a sociedade está fazendo", disse. 

7 perguntas e respostas sobre a microcefalia
REUTERS / Ueslei Marcelino
O que é microcefalia?

É uma má-formação congênita em que a criança nasce com o perímetro cefálico menor do que o convencional, que é de 32 centímetros. Isso significa que o cérebro não se desenvolveu da maneira esperada.  

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX