Salvatore Laporta/AP
Salvatore Laporta/AP

Mais desmoronamentos podem atingir cidade antiga de Pompeia

O desmoronamento, numa das principais atrações turísticas da Itália, causou embaraço no governo

Associated Press, AP

08 Novembro 2010 | 18h29

Mais edifícios no interior da antiga cidade romana de Pompeia podem desmoronar, disse no domingo o ministro da Cultura da Itália, um dia depois de uma casa de 2.000 anos, usada no passado por gladiadores, ter se reduzido a escombros.

 

O desmoronamento, numa das principais atrações turísticas da Itália, causou embaraço no governo. O presidente Giorgio Napolitano disse que o ocorrido era uma "desgraça para a Itália" e exigiu explicações.

 

O ministro da Cultura, Sandro Bondi, que foi a Pompeia para avaliar o estrago, informa a mídia italiana.

 

Dado o número de prédios que precisam ser restaurados, novos danos são virtualmente "inevitáveis", disse Daniela Leone, porta-voz da superintendência arqueológica de Pompeia."É uma área vasta, que requer manutenção, recursos", disse ela.

 

A casa que caiu no sábado era usada por gladiadores para treinar antes dos combates realizados num anfiteatro próximo, bem como por outros atletas. Também funcionava como armazém de armas e armaduras.

 

Acredita-se que tenham sido construída muito antes da destruição da cidade por uma erupção do vulcão Vesúvio, no ano 79. A casa havia sido parcialmente destruída na 2ª Guerra Mundial, e teve partes reconstruídas.

 

Bondi sugeriu que infiltrações de água podem ter causado o desmoronamento, mas que afrescos na parte baixa das paredes talvez possam ser salvos.

Mais conteúdo sobre:
arqueologia, roma pompeia vesúvio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.