1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Médico do programa já chegou doente, diz secretário de Saúde

José Maria Tomazela - O Estado de S. Paulo

28 Fevereiro 2014 | 18h 25

Segundo Sérgio Luiz Cardoso de Brito, o cubano Vladimir Soubleppe Hernandez reclamava de incômodo no estômago, mas achava que era por causa da comida brasileira

SOROCABA - O médico cubano Vladimir Soubleppe Hernandez, de 49 anos, que morreu de câncer nesta sexta-feira, 28, depois de um período trabalhando no município de Ribeira, sul de São Paulo, já estava doente quando chegou à cidade pelo programa Mais Médicos. A informação é do secretário municipal de Saúde, Sérgio Luiz Cardoso de Brito.

"Se ele tivesse passado por um exame de saúde em Cuba ou assim que chegou ao Brasil, o câncer teria sido detectado", disse Brito. Segundo ele, desde que chegou a Ribeira, em dezembro, o médico reclamava de incômodo no estômago. "Ele achava que não estava se adaptando à comida brasileira, mas já era o câncer. Nos mandaram um médico doente."

Hernandez morreu no meio da viagem de volta para Cuba, quando o avião em que havia embarcado em São Paulo fez uma escala em Manaus, na manhã de quinta-feira (27). Como estava passando mal, foi levado para o Hospital 28 de Agosto, na capital amazonense, e internado em unidade de tratamento intensivo, mas não resistiu.

A morte, por "choque séptico, infecção intra-abdominal, insuficiência renal aguda e neoplasia avançada de pâncreas", conforme o atestado de óbito, ocorreu aos 50 minutos desta sexta-feira.

Histórico. Hernandez foi enviado para Ribeira no dia 13 de dezembro e passou a atender nas unidades do Programa Saúde da Família. Inicialmente, ele ficou em uma pousada e fazia as refeições, custeadas pela prefeitura, em dois restaurantes da cidade. Como reclamava da comida, a prefeitura acertou para que ele próprio preparasse suas refeições.

As dores no estômago continuaram e no dia 31 de janeiro, aconselhado por colegas cubanos de Apiaí, cidade vizinha, Hernandez viajou até um centro especializado, em Itu, para fazer uma tomografia. O exame que apontou o tumor no pâncreas chegou à cidade uma semana depois. De acordo com Brito, o estado de saúde do cubano foi informado às coordenações regional e estadual do programa.

No dia 12 de fevereiro, o médico foi levado pelos coordenadores para o Hospital Regional de Pariquera-Açu, no Vale do Ribeira, e transferido, em seguida, para o Hospital do Câncer de São Paulo, onde permaneceu internado até a tarde de quarta-feira. Brito teve a informação de que, sem reagir ao tratamento contra o câncer, o próprio médico manifestou o desejo de voltar para Cuba e encontrar-se com a família.

Ribeira tem 3.343 habitantes e fica no extremo sul do Estado, mesma região de Pariquera-Açu, onde outro médico cubano, Ortélio Jaime Guerra, abandonou o programa e fugiu para os Estados Unidos, no final de janeiro.

O Ministério da Saúde foi procurado e não se manifestou até o fechamento desta reportagem.