Gabriela Biló
Gabriela Biló

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2017 | 03h00

SÃO PAULO - As clínicas populares não se tornaram uma alternativa somente para pacientes. Médicos de diferentes especialidades estão fechando os consultórios particulares ou pedindo demissão de empregos em planos de saúde ou no SUS para atuar exclusivamente nesse tipo de negócio. O principal argumento dos profissionais que optaram pela mudança são os altos custos de manter uma estrutura própria.

Até 2015, o clínico-geral e endocrinologista Bruno Reis Souza Massatelli Gonçalves, de 34 anos, atuava em seu consultório particular no Itaim-Bibi, zona oeste de São Paulo, ao lado de dois sócios. Com a possibilidade de trabalhar em redes de clínicas populares, os três decidiram fechar o espaço. Gonçalves passou, então, a atuar em período integral no dr.consulta.

“Em um consultório particular, você vai gastar, no mínimo, com o aluguel da sala e o salário de uma secretária. Com os preços altos de aluguel em São Paulo, fica difícil manter um consultório por menos de R$ 7 mil. E ainda havia a desvantagem de não contarmos com uma boa estrutura de marketing e captação de clientes como as redes de clínicas têm”, afirma ele.

O médico relata que, nos últimos anos, as receitas do consultório não compensavam os custos. “Com a crise, a gente estava com uma agenda ociosa. Não tinha fluxo. Na clínica, tenho uma agenda mais produtiva e consigo uma renda até maior do que a que eu tinha antes”, conta ele.

Leia também: Falta de cirurgia bariátrica mata até 45 mil no País por ano, afirma estudo

Abandonar o consultório particular e migrar para clínicas populares também foi a opção da endocrinologista Fernanda Lustosa Zinato, de 33 anos. “Além dos custos que tínhamos no consultório, o plano de saúde ainda demora até dois meses para pagar a consulta feita. Nas clínicas, também temos maior garantia de pacientes”, diz ela, que se mudou de Limeira, no interior de São Paulo, onde tinha um consultório com o marido, também médico, para São Paulo. “Pensávamos em outras possibilidades de trabalho quando nos mudamos, mas à medida que fui trabalhando na clínica e vi a praticidade optei por ficar somente lá”, relata.

Já o cardiologista Luís Augusto Saliba, de 36 anos, deixou um emprego em um dos principais hospitais públicos especializados do País para trabalhar em uma clínica popular. “Trabalhava havia cinco anos no Instituto Dante Pazzanese, mas estava desencantado. Embora o instituto tenha uma estrutura excelente, é difícil, dentro do sistema público, dar a atenção integral ao paciente. A gente faz a nossa parte, mas não vê se que aquele atendimento teve começo, meio e fim”, relata.

Fila. Vice-presidente médico do dr.consulta, Marcos Fumio conta que o corpo clínico da empresa passou de 200, no ano passado, para os atuais mil profissionais. “O setor também sofreu com a crise e os médicos estão preferindo não ter burocracias com a gestão de um consultório. Temos fila de espera de médicos querendo entrar”, afirma ele.

Fumio conta que o movimento tem sido observado também com dentistas. “Muitos estão migrando para as clínicas. Para abrir um consultório odontológico, o valor é alto por causa dos equipamentos necessários.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Clínicas populares em SP já oferecem até fertilização in vitro e ressonância

Além das consultas a preços mais acessíveis, redes apostam na oferta de serviços complexos para conseguir mais usuários e aumentar a receita; outra opção são pacotes fechados para clientes e empresas, como o que inclui seis visitas médicas por ano

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Após dois anos tentando engravidar sem sucesso, a técnica em enfermagem Aline Dinalli Dutra Lopez, de 33 anos, e o marido passaram a pensar na possibilidade de realizar uma fertilização in vitro. O preço, porém, desanimou o casal. “Nos lugares onde eu procurei inicialmente ficava entre R$ 25 mil e R$ 30 mil. Não tínhamos condições de arcar com esse custo”, relata. Em pesquisas na internet, Aline encontrou uma clínica popular recém-inaugurada na zona oeste da capital paulista que oferecia a técnica pela metade do preço. 

Em janeiro deste ano, Aline passou por uma consulta no centro médico. Decidiu contratar o serviço e agora se prepara para iniciar o tratamento.

O coach de produtividade Araken Perez, de 50 anos, também optou por uma rede de clínicas populares para se submeter a uma cirurgia de retirada de vesícula. “Estava sem plano de saúde havia dois anos. Cheguei a procurar três unidades do SUS (Sistema Único de Saúde), mas me avisaram que demoraria meses, e eu não estava aguentando as dores”, conta ele, que pagou R$ 7,5 mil na operação. Em hospitais particulares tradicionais, diz o paciente, o preço chegava a R$ 15 mil.

Leia também: País tem 1.158 novas unidades do SUS que nunca foram abertas

As clínicas populares que começaram a atrair brasileiros nos últimos anos com consultas a preços mais acessíveis apostam agora na oferta de serviços mais complexos para ampliar a rede, conseguir mais clientes e aumentar a receita. Ressonância magnética, biópsia, vasectomia e fertilização in vitro são alguns dos procedimentos já disponíveis em redes na capital e Grande São Paulo.

Especialistas e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ressaltam que as clínicas, embora práticas, não se equiparam a um plano de saúde ou à assistência integral dada por um sistema estruturado em diferentes complexidades, como o SUS 

A maioria dessas empresas surgiu ou registrou crescimento significativo nos últimos dois anos, período em que houve uma queda drástica do número de beneficiários de planos de saúde no País. Por causa da crise econômica, 2,4 milhões de brasileiros perderam o convênio entre 2014 e 2016, segundo dados da ANS.

Crescimento. Somente no último ano, o dr.consulta, uma das principais redes do tipo, passou de 10 para 31 unidades e ampliou o número de procedimentos oferecidos. “Temos exames mais complexos, como endoscopia, ressonância magnética e ultrassom 3D, e passamos a fazer convênios com hospitais privados para oferecer cirurgias a preços bem mais baixos”, explica Marcos Fumio, vice-presidente médico do dr.consulta. Hoje, a rede faz cerca de 120 mil atendimentos por mês em 56 especialidades (médicas e não médicas), além de oferecer mais de mil tipos de exames.

A novata Doktor’s surgiu em outubro e já conta com 25 especialidades, centro de ultrassom e parceria com quatro hospitais para procedimentos mais complexos. Como um dos sócios – o médico Luiz Fernando Carvalho – é especializado na área de ginecologia e obstetrícia, a empresa criou o conceito de “fertilização in vitro social”, oferecendo a técnica por um valor mais baixo do que o praticado no mercado. “Negociamos os preços de cada processo com todos os atores envolvidos, como os laboratórios que oferecem a medicação usada, e conseguimos reduzir o preço”, diz Rodrigo da Costa Aguiar, sócio e diretor executivo da Doktor’s.

Inaugurada em 2014 e dona de cinco unidades, a GlobalMed planeja ofertar ainda neste ano tratamento para pacientes com câncer. “A ideia é que no futuro a gente tenha disponível radioterapia a preços mais acessíveis para pacientes que não conseguirem o tratamento pelo SUS, por exemplo”, diz Bruno Carvalho, diretor executivo.

Outra aposta das clínicas populares são pacotes fechados de serviços e consultas. Na Doktor’s, microempreendedores têm a possibilidade de oferecer aos funcionários um cartão que dá direito a seis visitas médicas anuais ao custo de R$ 19,90 por mês por trabalhador. No dr.consulta, são oferecidos pacotes de consultas para pacientes, como gestantes em pré-natal ou doentes crônicos.

Para os pacientes que utilizam as clínicas populares, a maior vantagem é não ter de esperar as longas filas do SUS. “Perdi o emprego e o plano de saúde no ano passado, mas preciso passar por endoscopia de rotina todo ano por já ter feito uma cirurgia bariátrica. Mas o exame demora muito na rede pública”, diz a internacionalista Michele Paula Santos do Nascimento, de 35 anos.

Especialistas e ANS apontam desvantagens

Embora atraiam pacientes pela rapidez do agendamento e pelos preços mais acessíveis, as redes de clínicas populares não garantem, na opinião de especialistas, um atendimento mais amplo, principalmente em casos graves.

“Claro que essas clínicas têm uma velocidade de atendimento inigualável, mas o paciente não pode ter a ilusão de que, por isso, tem cobertura garantida e não vai precisar do SUS (rede pública). Isso é mentira. Essas clínicas não cobrem medicamentos, internação e quimioterapia, por exemplo. É um atendimento fragmentado”, ressalta a sanitarista Lígia Bahia, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A especialista diz ainda que, como não há uma regulação específica para o mercado, esses serviços têm pouco controle de qualidade. “Os pacientes devem ficar atentos à estrutura, às condições dos equipamentos para exames e a eventuais indicações de procedimentos médicos não necessários”, diz.

Cartilha. A Agência Nacional de Saúde Suplementar, que regula o mercado de planos de saúde, se posicionou sobre os pacotes de consultas e serviços oferecidos por essas clínicas. O órgão editou uma cartilha sobre cartões de desconto ou pré-pagos por meio dos quais o paciente têm direito a um número limitado de consultas ou a descontos em outros procedimentos.

Na cartilha, a agência ressalta que essas modalidades de serviço não são planos de saúde e não possuem garantias como o rol mínimo de procedimentos editado pela ANS. A agência salienta ainda que os planos de saúde são proibidos de oferecer esse tipo de cartão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.