Tânia Rego/Agência Brasil
Tânia Rego/Agência Brasil

Ministério da Saúde anuncia novo tratamento para hepatite C

Medicamentos têm porcentagem de cura de 90%; no ano passado, País registrou mais de 42 mil casos de hepatites virais

O Estado de S. Paulo

27 Julho 2017 | 23h09

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira, 27, um novo tratamento para pessoas com hepatite C. Todos os 135 mil diagnosticados com a doença, independentemente do grau de comprometimento do fígado, serão atendidos com os medicamentos sofosbuvir, daclatasvir ou simeprevir, que apresentam cura de cerca de 90%, segundo a pasta. 

O novo tratamento está ligado a uma mudança na modalidade de compra do Ministério da Saúde. A pasta condicionará o pagamento à indústria farmacêutica à comprovação da cura do paciente. “Estamos trazendo uma nova ótica de compras para o SUS, seguindo a lógica de comprar mais barato e, com isso, aumentar a oferta de medicamentos para a população”, explicou o ministro Ricardo Barros, nesta quinta-feira, 27, véspera do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. 

O objetivo da pasta é que todos os diagnosticados com a hepatite C sejam tratados - o atendimento será feito conforme a gravidade da doença. O comprometimento do fígado varia de F0 a F4. Segundo o ministério, a previsão é de que fila dos casos F3 e F4 acabe neste semestre e, até os primeiros seis meses do ano que vem, os diagnosticados com F2 sejam plenamente atendidos. 

No ano passado, o Brasil registrou 42.830 casos de hepatites virais. Os dados fazem parte do novo Boletim Epidemiológico de Hepatites, plataforma com a qual é possível, pela primeira vez, acompanhar dados das hepatites de cada município de Brasil, com recortes de raça, cor, sexo, idade.

A doença é transmitida pelo contato com sangue contaminado (transfusão de sangue, sexo desprotegido e compartilhamento e objetos de uso pessoal como agulhas de tatuagem, alicates e tesouras). Não existe vacina contra a hepatite C. O tratamento pode ser feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Mais conteúdo sobre:
Ministério da Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.