Ministério da Saúde faz alerta contra o mosquito da dengue

O Ministério da Saúde lançou, em novembro do ano passado, a campanha "Brasil unido contra a dengue" para conscientizar a população e os administradores públicos da necessidade de manter ações de combate preventivo ao mosquito transmissor da doença, diante das previsões de um verão com chuvas acima da média e altas temperaturas - condições ideais para a proliferação do vetor. Uma caravana percorreu as regiões de maior risco do País; R$ 1,02 bilhão foi destinado ao custeio de atividades de vigilância sanitária, com repasses para Estados e municípios; e um estoque de medicamentos, inseticidas, larvicidas, equipamentos para combater a doença e kits de diagnóstico foi feito para atender os governos locais.

01 Março 2010 | 03h19

 

Nas primeiras semanas do ano, no entanto, a doença voltou a colocar todo o País em alerta e, além da evolução acelerada do número de casos, voltou a aparecer o tipo 1 da doença. Esse vírus é associado a grandes surtos epidêmicos e provoca aumento significativo do número de internações de pacientes, ameaçados por infecções. Como o vírus estava extinto desde a década de 80, os brasileiros nascidos de lá para cá não tiveram contato com o tipo 1 da dengue e, portanto, não desenvolveram imunidade ao vírus.

 

Nos últimos dias, os relatórios divulgados por Secretarias da Saúde de todo o País mostram que a campanha de orientação e os recursos colocados à disposição para o combate à dengue não deram os resultados esperados. Focos da doença foram confirmados em todos os Estados. Já em janeiro havia quadruplicado o número de casos em São Paulo, o Estado mais bem preparado para o combate à doença.

 

Na Baixada Santista, houve mais de 600 notificações da dengue. No interior, por exemplo, registram-se mais de 330 casos em Araçatuba e mais de 450 em São José do Rio Preto. Em Ribeirão Preto, há 137 casos confirmados e 481 suspeitos. No ano passado, segundo dados do Centro de Vigilância Epidemiológica, a dengue atingiu 8.148 paulistas. Diante da situação, o governo de São Paulo decidiu antecipar a Semana Estadual de Combate à Dengue e, a partir desta semana, colocará 10 mil agentes nas ruas, para um trabalho de conscientização da população.

 

No restante do País, mais de cem municípios entraram em alerta na semana passada. Em Mato Grosso, o total de doentes já ultrapassa os 15 mil - em apenas uma semana foram registradas 2.841 novas ocorrências da doença. Em Campo Grande, a incidência aumentou 4.200%. Acre, Goiás (10 mil casos somente em Goiânia), Mato Grosso do Sul (cerca de 8 mil casos) e Rondônia, além do Distrito Federal, também declararam situação de epidemia. Em Rondônia, na primeira semana do ano, o aumento no número de casos chegou a 2.182%, quando comparado ao mesmo período de 2009. Em Porto Velho, houve 2.210 casos.

 

A epidemia, portanto, está de volta, como resultado de políticas descontinuadas de combate à doença nos municípios - os responsáveis pelas ações de prevenção da dengue.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2009, houve queda de 34,2% no número de casos, em relação a 2008. De janeiro a dezembro do ano passado, foram feitas 529.237 notificações, ante 803.522 em 2008. Esses números auspiciosos podem ter levado as autoridades municipais de saúde pública a baixar a guarda, relaxando a vigilância sobre os pontos de risco nas cidades.

 

O mosquito tem uma grande capacidade de adaptação às condições do ambiente. O combate à dengue, portanto, tem de ser permanente. Além disso, basta que 1% dos domicílios de um bairro apresente larvas do mosquito transmissor para que uma epidemia se instale no local.

 

O governo federal colocou recursos à disposição dos municípios. Antes disso, em julho, lançou as Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue, documento elaborado em parceria com Estados e municípios para padronizar as ações de vigilância e assistência em saúde para todo o País. Portanto, deve o governo federal exigir das administrações municipais resultados diametralmente opostos aos registrados até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.