SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Ministro da Saúde diz que envio de cubanos ao Brasil será retomado

49 cidades que incentivaram profissionais a entrar na Justiça foram descredenciadas do Mais Médicos

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2017 | 14h36

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse esperar que o governo cubano retome o envio de profissionais para o programa Mais Médicos, interrompido há um mês. Em um gesto para ganhar confiança de Cuba, a pasta determinou o descredenciamento do programa de 49 municípios que incentivaram profissionais a entrar na Justiça para garantir sua permanência no Brasil.

A participação de profissionais cubanos no Mais Médicos será discutida em uma reunião entre a vice-ministra de Cuba, técnicos do Ministério da Saúde e Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), marcada para esta tarde, em Brasília.

"O envio será retomado. Tiramos do programa os municípios que estavam incentivando médicos cubanos a permanecer no Brasil. E o governo cubano se mostrou satisfeito com a medida", disse Barros. 

A punição para prefeituras que incentivavam cubanos a permanecer no programa à revelia da vontade de Cuba foi definida há duas semanas, em uma reunião entre Ministério da Saúde, conselhos de secretários estaduais e municipais.

A estratégia foi considerada como um poderoso argumento para convencer o governo do país da América Central a manter o convênio, renovado no ano passado, para o envio de profissionais. Em abril, Cuba suspendeu o envio de 710 médicos para o programa, em uma reação ao aumento expressivo de liminares concedidas na Justiça garantindo a permanência de cubanos que ficaram mais de três anos no programa. Foram ao menos 80.

A determinação para o descredenciamento deve continuar. Há duas semanas, a informação era a de que pelo menos 55 municípios incentivaram médicos de Cuba a ingressar na Justiça para continuar no País. As prefeituras notificadas do descredenciamento poderão apresentar defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.