Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Ministro da Saúde garante que há vacina para imunizar brasileiros contra a febre amarela

Ricardo Barros afirma que a população em área de risco será vacinada sem nenhuma dificuldade e na maior velocidade 

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2018 | 10h59

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou nesta quarta-feira, 31, que há estoque de vacina contra a febre amarela para toda a população brasileira que ainda não foi imunizada. No entanto, o ministério manterá a estratégia de vacinar apenas a população das áreas afetadas pela doença.

Em entrevista à Rádio Eldorado, Ricardo Barros, disse que o país está enfrentando o ciclo de febre amarela com absoluta tranquilidade, com a melhor técnica de imunização e que segue todos os protocolos da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

"Este ano de fato tivemos 81 óbitos, sendo que no ano passado tivemos 147 óbitos e 213 casos da doença contra 468 na mesma semana epidemiológica em 2017. Este episódio de febre amarela, deste ano de 2018, está muito mais controlado do que aquele do ano passado," explicou Barros.

Segundo Ricardo Barros, há recomendação para vacinar 70% da população do território nacional. "O ano passado vacinamos a população do Espírito Santo, esse ano vacinaremos Rio de Janeiro e Salvador integralmente e grande parte da população de São Paulo já foi vacinada", explicou Barros.

+++ Nova vacina contra febre amarela está em análise na Fiocruz

De acordo com o Ministro da Saúde, a campanha de vacinação contra a febre amarela deste ano, cujo slogan é "Informação para todos, vacina para quem precisa" alcançará excelentes resultados. "Estamos com a vacinação em andamento, não temos mais filas, está tudo devidamente organizado e as unidades de saúde já estão preparadas para receber o público. Nós vacinaremos a população em área de risco sem nenhuma dificuldade e na maior velocidade , disse o ministro. 

+++ Paraguai exige vacinação contra febre amarela para 4 Estados brasileiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.