1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ministro diz que vacina contra zika deve estar disponível em 3 anos

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 19h 54

Depois, será necessário mais tempo para testes, segundo Castro; diretora-geral da OMS disse que vírus não ameaça Olimpíada

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, e a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, em visita à Fiocruz

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, e a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, em visita à Fiocruz

RIO - O ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou durante coletiva na tarde desta quarta-feira, 24, no Rio de Janeiro que em um ano deve estar pronta para testes a primeira vacina contra o vírus zika. Depois, será necessário mais tempo para a realização de testes. "Em dois anos devemos ter uma vacina contra a dengue, e em três anos contra a zika", disse o ministro.

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, afirmou que o zika não representa um risco para os atletas que vão participar da Olimpíada no Rio de Janeiro, em agosto. "Está sendo feito um bom trabalho (de combate aos criadouros do mosquito transmissor, Aedes aegypti), e além disso o período da realização dos Jogos é o inverno, quando há menos propagação do mosquito".

Para o ministro da Saúde, Marcelo Castro, a zika não representa um perigo durante a Olimpíada do Rio porque ela será realizada no período de menor proliferação do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. "Em março e abril (a incidência de casos) chega ao auge. A partir de maio os casos começam a cair, e chegam ao nível basal em julho e agosto", afirmou. "Isso num ano normal, mas neste o esforço de combate ao mosquito tem sido muito maior, tem havido uma outra percepção sobre o problema. O mosquito se tornou mais perigoso, então o combate tem sido maior", disse Castro. Para ele, por conta desse esforço maior no combate ao mosquito, a situação nos meses de baixa infestação deve ser ainda menos grave.

O ministro e a diretora da OMS visitaram a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, na tarde desta quarta, e às 18 horas concediam entrevista coletiva.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX