Ministério do Esporte/Divulgação
Ministério do Esporte/Divulgação

Ministro do Esporte garante Olimpíada mesmo com epidemias

George Hilton participou de ações em escola de Curitiba e afirmou que governo está empenhado em combater o 'Aedes aegypti'

Edson Fonseca, Especial para o Estado

19 Fevereiro 2016 | 13h39

CURITIBA - O ministro do Esporte, George Hilton, garantiu que as epidemias provocadas pelas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti não vão atrapalhar a Olimpíada no Rio de Janeiro. Sem citar números, Hilton afirmou que as ações do governo serão capazes de diminuir os índices de infectados pelas doenças - zika, dengue e chikungunya - antes do início dos jogos.

O ministro participou das ações do Zika Day, do governo federal, em Curitiba, e também dos eventos promovidos pela prefeitura nas escolas municipais. "Todos estão mobilizados para controlar a proliferação do mosquito, e o trabalho e conscientização devem aparecer em breve, principalmente no Rio de Janeiro, para receber os atletas e os turistas", afirmou Hilton.

O ministro interagiu com as crianças e afirmou que o trabalho nas escolas é uma das formas mais eficazes de prevenção. "As crianças funcionam como agente multiplicador, conscientizando os pais", disse.

Hilton visitou duas escolas municipais de Curitiba, na mobilização promovida pela prefeitura. Nos eventos, professores e agentes de saúde realizaram palestras e distribuíram materiais didáticos para as crianças sobre as formas de prevenir a proliferação do Aedes aegypti. Na sequência, o ministro visitou o Colégio Estadual Homero Baptista de Barros, no bairro Capão Raso, escolhido para receber as ações do Zika Day do governo federal. 

Em Curitiba ainda não foram registrados casos autóctones das doenças transmitidas pelo mosquito. Todos os registros até agora - foram 173 de dengue, 13 de zika e nenhum de chikungunya - são de pacientes infectados em outras cidades. Mesmo assim, a prefeitura recrutou 15 mil voluntários para monitorar terrenos com possibilidades de tornarem-se criadouros do Aedes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.