Ministros se reúnem na OPS para analisar doenças como H1N1

Organização pretende acertar políticas que permitam tratar em conjunto os assuntos da saúde na região

Efe,

28 Setembro 2009 | 14h30

Os ministros americanos de Saúde se reúnem nesta segunda-feira, 28, em Washington na Organização Pan-Americana da Saúde (OPS) para acertar políticas que permitam tratar de maneira conjunta os assuntos da saúde na região como a gripe A.

 

Veja também:

especial ESPECIAL: Entenda a gripe suína

especial ESPECIAL: Perguntas e respostas sobre a gripe

 

Está previsto que a diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, inaugure o que será o 49º Conselho Diretor da OPS e a 61ª sessão do Comitê Regional, que será realizada na capital americana até o dia 2 de outubro.

 

Além da gripe A, na agenda dos ministros estão outras doenças infecciosas relacionadas com a pobreza, assim como os desafios que devem enfrentar seus países para conseguir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

 

A secretária do Departamento de Saúde e Serviços Sociais dos Estados Unidos, Katheleen Sebelius, dará as boas-vindas aos ministros em nome do país anfitrião junto com a diretora da OPS, Mirta Roses, que posteriormente apresentará o relatório de atividades da organização.

 

O propósito desta reunião é de acertar novas políticas de decisão que tratem os problemas críticos de saúde desta região, indicou a OPS em comunicado.

 

Como conseguir uma atenção primária de saúde, uma política de nutrição para a população e a infraestrutura necessária para ter hospitais seguros também estarão no centro do debate.

 

O programa também inclui outros aspectos como a saúde dos adolescentes, a igualdade de gênero, a doação e o transplante de órgãos humanos, a saúde familiar e comunitária.

 

A OPS é o escritório regional para América da Organização Mundial da Saúde e trabalha com os países-membros para melhorar a saúde e elevar a qualidade de vida de seus habitantes.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.