Mortes causadas por doenças crônicas diminuem 17% entre 1996 e 2007

Estudo Saúde Brasil 2009 revela que a maior redução de mortes foi registrada entre doenças respiratórias

Agência Brasil,

14 Dezembro 2010 | 11h50

As mortes por doenças crônicas caíram 17% no Brasil entre 1996 e 2007, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira, 14, pelo Ministério da Saúde. O grupo, que representa 67% do total de mortes em todo o país, inclui doenças cardiovasculares, respiratórias, neoplasias e o diabetes.    

Veja também:

linkPesquisa mostra redução nas taxas de mortalidade materna e infantil

linkTemporão diz que vai entregar a Dilma plano contra 'epidemia de obesidade'

linkMortes por diabete crescem 10% em 11 anos no Brasil

link Pesquisa revela que cesarianas aumentaram quase 10% de 2000 a 2007

 

Dados do estudo Saúde Brasil 2009 revelam que a maior redução de mortes foi registrada entre doenças respiratórias como o enfisema pulmonar e a asma, com queda média foi de 2,8% ao ano. Um dos fatores apontados pela pasta é a diminuição do tabagismo no país.

 

De 1898 a 2009, o porcentual de fumantes na população brasileira caiu de 35% para 16,2% - índice menor do que os registrados em países como a Argentina (35%) e os Estados Unidos (40%).

 

As doenças cardiovasculares, consideradas a principal causa de morte no Brasil, apresentaram uma redução média de 2,2% ao ano entre 1996 e 2007. Apenas em 2007, 308 mil pessoas morreram vítimas desse tipo de enfermidade.

 

Além da redução do tabagismo, o ministério cita como fatores positivos para este resultados o maior nível de instrução da população, políticas de prevenção e a promoção de uma alimentação mais saudável, além do estímulo à atividade física.

Mais conteúdo sobre:
Saúde Brasil 2009 doenças crônicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.