Mudanças simples de hábitos poderiam evitar milhões de cânceres

Cerca de um terço de todos os tumores comuns nos Estados Unidos, China e Grã-Bretanha poderiam ser evitados todos os anos se as pessoas se alimentassem de forma mais saudável, bebessem menos álcool e se exercitassem mais, disseram especialistas na sexta-feira.

KATE KELLAND, REUTERS

04 Fevereiro 2011 | 17h38

Estimativas do Instituto Americano para a Pesquisa do Câncer (AICR) e do Fundo Mundial de Pesquisas do Câncer (WCRF) sugerem que mudanças simples de hábitos poderiam prevenir mais de 40 por cento dos casos de câncer de mama na Grã-Bretanha e EUA, além de dezenas de milhares de casos de câncer de cólon, estômago e próstata.

"É perturbador que em pleno 2011 as pessoas morram desnecessariamente de cânceres que poderiam ser evitados pela manutenção de um peso saudável, de uma boa dieta, com atividades físicas e outros fatores associados ao estilo de vida", disse Martin Wiseman, consultor médico e científico do WCRF, em nota.

Na China, 620 mil casos, ou 27 por cento, são evitáveis, disse o WCRF. A cifra sobre para 35 por cento (340 mil casos) nos Estados Unidos e 37 por cento (79 mil) na Grã-Bretanha. No Brasil, hábitos mais saudáveis poderiam evitar 61 mil casos de câncer, segundo o estudo.

O câncer é uma das principais causas de óbito no mundo, e sua incidência tem aumentado. A cada ano, cerca de 12,7 milhões de pessoas são diagnosticadas e 7,6 milhões morrem por causa de algum dos cerca de 200 tipos conhecidos.

Segundo a Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Câncer, a doença irá matar mais de 13,2 milhões de pessoas por ano até 2030, quase o dobro do índice registrado em 2008 - e a vasta maioria das mortes será em países mais pobres.

Em outro relatório, a OMS informou que o sedentarismo é a principal causa de 21 a 25 por cento dos casos de câncer de mama e cólon, 27 por cento dos casos de diabete, e 30 por cento dos casos de doenças cardíacas no mundo todo.

Rachel Thompson, subdiretora científica da WCRF, disse que, embora a mensagem seja simples - que não fumar, comer bem e manter um peso saudável ajudam a evitar muitos tipos de câncer -, ainda é difícil colocar isso em prática.

"Está tudo ótimo em dizermos: 'Eis o que você precisa comer e essa é a quantidade de atividade física que você precisa fazer', mas precisamos facilitar que as pessoas façam essas mudanças", disse ela. "Todos têm um papel nisso - de organizações internacionais a governos e às próprias pessoas."

A OMS recomenda que adultos façam pelo menos 150 minutos de exercício moderado por semana. Isso significaria, por exemplo, caminhar meia hora por dia, ou ir de bicicleta para o trabalho.

Peter Baldini, diretor da Fundação Mundial do Pulmão, também pediu que todos os governos adotem leis antitabaco e que elevem o preço dos cigarros.

O tabaco mata milhões de fumantes por ano, além de centenas de milhares de fumantes passivos.

"Não há uma bala mágica para curar todos os tipos de câncer, mas temos a oportunidade e a obrigação de proteger as pessoas de desenvolverem o câncer sempre que possível", disse Baldini.

(Reportagem adicional de Stephanie Nebehay em Genebra)

Mais conteúdo sobre:
CIENCIA CANCER HABITOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.