Mulher contrai vírus da aids em transplante de rim nos EUA

Nova York, 17 mar (EFE).- Uma mulher de Nova York contraiu o vírus do HIV por meio de um transplante de rim de um doador vivo, o que significa um caso muito pouco comum que forçou as autoridades de saúde americanas a aumentarem suas recomendações em matéria de controle nesse tipo de operação.

EFE,

17 Março 2011 | 20h42

Veja também:

linkPacientes com HIV voltam a sofrer com desabastecimento de remédios

link Brasil registra número recorde de transplantes

"Foi detectado um doador vivo para um paciente que necessitava de transplante na cidade de Nova York. Após o transplante, o receptor teve complicações de saúde e entre elas o HIV", explicou nesta quinta-feira à Agência Efe a porta-voz do Departamento de Saúde do estado de Nova York, Claudia Hutton.

Claudia detalhou que até então a receptora não era portadora do vírus que provoca a aids, nem estava relacionada com um entorno considerado de risco.

Após a correspondente pesquisa, foi descoberto que o doador contraiu HIV entre o momento em que foi detectado como compatível e o dia da cirurgia, que foi de, mais ou menos, dez semanas.

"É uma história dilaceradora", apontou a porta-voz, que explicou que, por causa deste fato, decidiu recomendar uma segunda rodada de exames de sangue nos doadores dentro das duas semanas antes da doação.

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), que publica nesta quinta-feira o caso em seu Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade, recomenda que esse prazo se reduza a uma semana antes da operação.

O organismo detalha que nem o doador nem o receptor souberam que tinha a doença até um ano depois da operação.

Mais conteúdo sobre:
aids HIV transplante

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.