REUTERS/Jorge Cabrera
REUTERS/Jorge Cabrera

Cesárea é liberada antes da 39ª semana em caso de trabalho de parto

Liberação é exceção à resolução do CFM que proíbe a cirurgia a pedido da gestante antes da 39ª semana de gravidez

LÍGIA FORMENTI, O ESTADO DE S. PAULO

21 Junho 2016 | 19h16

BRASÍLIA - A resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) que proíbe cesáreas a pedido da gestante antes da 39ª semana de gestação já tem uma exceção. Mulheres que entrarem em trabalho de parto antes do prazo estipulado pelo CFM podem optar pela cirurgia, de acordo com nota publicada nesta terça-feira, 21, pela diretoria da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

A entidade, que participou das discussões sobre a resolução do CFM, afirma que o médico que aceitar fazer o procedimento antes de 39 semanas não corre risco de praticar infração ética, desde que a mulher esteja em trabalho de parto. O CFM, questionado, informou que a avaliação está correta, porque não estaria caracterizado o agendamento.

Divulgada nesta segunda, a resolução do CFM deverá ser publicada no Diário Oficial desta quarta-feira, 22. A nova regra é uma resposta a uma série de iniciativas adotadas pelo Ministério da Saúde para tentar reduzir o que ficou conhecido como “epidemia de cesáreas” no Brasil. O País detém um dos maiores índices desse tipo de procedimento no mundo. Em hospitais particulares, 80% dos nascimentos são feitos por meio dessa cirurgia.

Na prática, a resolução do CFM libera o agendamento da cesárea depois da 39ª semana. Uma medida mais flexível do que as diretrizes sobre o tema, publicadas pelo Ministério da Saúde. No documento do governo, a recomendação é de que a cesárea a pedido da gestante somente seja realizada quando já há sinais do trabalho de parto. Com isso, haveria garantias de que o bebê estaria pronto para nascer e não seria prematuro.

Questionado pelo Estado, o presidente do CFM, Carlos Vital admitiu a divergência com a recomendação do governo. “Não haveria motivo para esperar. Com 39ª semanas o bebê já está pronto para nascer. Há um risco de que, a mulher entrando em trabalho de parto, seja mais difícil conseguir fazer a cesárea”, disse. “Se a mulher não quer passar pelas dores do parto, esse é um direito.”

O professor da Universidade Federal de Pelotas, Bernardo Horta, afirmou que o ideal seria que governo e entidades médicas ampliassem os esforços para tentar reduzir a falsa ideia de que cesáreas são livre de riscos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.