Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Mulher tem útero retirado por engano em cirurgia de vesícula

Outra paciente, de mesmo nome, aguardava operação para retirada do útero; médico responsável não foi encontrado pela família

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

18 Junho 2015 | 14h40

RIO - A família de uma mulher de 45 anos acusa a equipe médica da Casa de Saúde Maternidade Nossa Senhora da Glória, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, de ter cometido um erro médico: a cuidadora de idosos Kátia Regina Vargas Araújo, de 45 anos, teve o útero retirado em cirurgia que serviria para a extração da vesícula biliar. 

Kátia foi submetida ao procedimento nesta quarta-feira, 17. Às 6h da manhã desta quinta-feira, ela ligou para o marido, Arnaldo Pinto Araújo, de 49 anos, dizendo que houve um erro da equipe médica. Algumas pessoas da enfermagem levantaram a hipótese de um engano, já que outra paciente chamada Kátia, que de fato precisava ter o útero operado, aguardava cirurgia no mesmo dia. 

A família desde então tenta falar com o médico responsável pela operação, mas ele não foi encontrado. Ele é substituto do profissional que ia operá-la originalmente. Segundo Araújo, a mulher sofre com enjoos e aguardava o procedimento, feito através de um convênio entre o hospital, que é particular, e o Sistema Único de Saúde (SUS), desde dezembro do ano passado. A vesícula de Kátia não foi retirada.

"Conversei com a minha mulher e ela estava tranquila, mas surpresa com a operação" , disse Araújo. Pais de dois filhos, de 21 e 19 anos, eles são casados há 25 anos, completados nesta quarta-feira. "Olha o presente que eu recebi de bodas de prata: minha mulher internada. Seria bom se a operação tivesse sido a certa", criticou.

Desde que conseguiu ver a mulher, na manhã desta quinta, Araújo conta que vem sendo impedido pela equipe do hospital de encontrá-la novamente. Segundo ele, a alta está prevista para esta sexta-feira. Araújo disse também que a operação estava marcada para 28 de maio, mas a Casa de Saúde Maternidade Nossa Senhora da Glória estava fechada. Um dia antes, a Secretaria Estadual de Saúde havia notificado a unidade por diversas irregularidades observadas em vistoria, que acarretavam risco sanitário. 

Procurada por telefone, a Casa de Saúde Maternidade Nossa Senhora da Glória não atendeu a reportagem até as 14h desta quinta-feira. 

Mais conteúdo sobre:
Saúde Rio de Janeiro erro médico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.